Publicado 01 de Maio de 2014 - 20h46

Dos 15 assassinatos, apenas o do policial militar Sandro Luís Gomes teve um suspeito preso

Arquivo pessoal

Dos 15 assassinatos, apenas o do policial militar Sandro Luís Gomes teve um suspeito preso

Policiais da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, ambos de São Paulo, passaram a reforçar o policiamento em Sorocaba, nesta quinta-feira (1º), depois da onda de violência com 15 mortes em quatro dias. Além do reforço desses policiais, o delegado Júlio Gustavo Vieira Guebert, diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter-7), determinou que os períodos de folgas dos policiais fossem encurtados e em alguns casos até cancelados para aumentar o efetivo.

As decisões foram tomadas em uma reunião realizada na tarde desta quarta-feira (30) na sede do Deinter-7 e que contou com a presença da delegada Elisabete Sato, diretora do Departamento de Homicídios, e dos delegados assistentes do Deinter-7 e três delegados da DIG.

Não foi divulgada como se compõe a equipe da Rota para não atrapalhar as investigações. A do Departamento de Homicídios é formada por dois delegados e investigadores. Não foi revelado o número desses investigadores que reforçam o efetivo de Sorocaba.

Dos 15 assassinatos, apenas o do policial militar Sandro Luís Gomes, de 35 anos, morto no domingo (27), o primeiro dos 15, teve um suspeito preso. Mesmo assim, ainda não está confirmado que ele seja o autor. Até porque havia outros no veículo de onde vieram os tiros.

Os índices de homicídio dolosos (com intenção) já eram crescentes desde o início do ano na comparação com 2013. Nos três primeiros meses deste ano foram registradas 31 mortes. O número é praticamente a metade das 61 registradas em todo o ano passado.