Publicado 01 de Maio de 2014 - 12h03

Por Da redação

Danilo Fernando Olegário atua no mercado há mais de 15 anos

Divulgação

Danilo Fernando Olegário atua no mercado há mais de 15 anos

Pessoas com virtudes como eficiência e criatividade têm maiores chances de conseguir uma vaga de emprego, pois as exigências em um processo seletivo, hoje, são muito mais comportamentais do que técnicas. A afirmação é de Danilo Fernando Olegário, coach profissional com foco na área de Desenvolvimento de Liderança e Carreiras.

Na avaliação do especialista em Recursos Humanos, as duas qualidades estão intimamente relacionadas com a busca pela excelência, tanto na esfera pessoal quanto profissional.

 

“Hoje, as empresas buscam pessoas que consigam reunir essas habilidades, principalmente porque os recursos naturais são cada vez mais escassos. E também porque o cenário econômico do Brasil vive um momento de instabilidades”, avalia Olegário, que é formado pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching.

De acordo com o coach, as empresas que conseguirão sobreviver no futuro, e sobretudo se destacar no mercado, são aquelas compostas por profissionais que conseguem extrair o melhor da sua eficiência e serem criativos em situações de adversidade.

Na opinião de Olegário, existe uma relação direta entre “eficiência” e “poder de iniciativa”. Pessoas eficientes naturalmente têm iniciativa para resolver seus problemas. Bons hábitos, ou boas competências, desencadeiam outras qualidades e habilidades, avisa o coach.

 

“O exemplo de quem pratica atividades físicas ilustra bem essa comparação, o efeito compensatório que o exercício físico proporciona desencadeia outros comportamentos como disposição, bem -estar e autoestima, entre outros”, compara.

Então, eficiência e criatividade, quando desenvolvidas também possuem o efeito angular em outras competências como comunicação e resiliência, aumentando a performance nas diversas áreas da vida, acrescenta Olegário.

 

A própria prática de coaching – processo de desenvolvimento pessoal e profissional, por meio de aperfeiçoamento de habilidades, competências e do autoconhecimento – busca, entre outras metas, potencializar qualidades como a eficiência e a criatividade no “coachee” - o cliente que passa pelo processo de “coaching”.

 

“O coaching contribui para que a pessoa atinja altos níveis de eficiência e libere a sua capacidade criativa. Portanto é um processo que busca sempre a excelência humana dentro daquilo que temos de melhor dentro de nós”, comenta.

Habilidades

O currículo e os títulos de um profissional, claro, são importantes na hora de um processo de seleção. Mas hoje em dia as empresas valorizam funcionários com essas virtudes comportamentais, avisa o coach.

“Na minha opinião essas competências (criatividade e eficiência) não se dividem”, observa o coach. Mas é comum haver disparidades.

 

“Por exemplo, é fácil encontrar profissionais com um alto nível de eficiência mas que, muitas vezes, não têm criatividade necessária para ‘vender’ o seu produto, ou seja, o seu trabalho. Com isso, diminuem a chance de serem vistos e lembrados tanto em um processo seletivo quanto na jornada profissional dentro de uma empresa”, frisa.

Exemplos 

Celebridades como Silvio Santos, Walt Disney e Steve Jobs são alguns exemplos de gente que transformou eficiência e criatividade em lucros (impérios, nestes casos!). “O mundo está repleto de histórias de pessoas conseguiram superar as condições adversas com eficiência e criatividade”, comenta.

Atuando como coach no universo corporativo, Olegário se recorda de um caso envolvendo um vendedor ambulante de pipoca, que desejava ser operador de máquina de uma grande empresa da região, e participava de um processo seletivo.

Numa das etapas da triagem, então foi-lhe feita a pergunta: “Por que você deveria ser contratado?”. A resposta veio rápida e assertiva: “Porque sou empreendedor”.

“Não tivemos dúvidas que ele seria um excelente candidato para a vaga apesar de demandar conhecimentos técnicos. Isso porque ele possuía uma característica extremamente valiosa para nós: força de espírito. Muitas pessoas no lugar dele falariam ‘eu vendo pipocas’, mas ele foi extremamente criativo em exaltar o seu lado empreendedor, demonstrando sua eficiência em gerir um carro de pipocas, fazendo seu planejamento financeiro, cuidando da manutenção do seu equipamento e do seu estoque de matéria prima”, recorda Olegário.  

O coach

Danilo Fernando Olegário é gestor de Recursos Humanos e atua no mercado há mais de quinze anos, com passagens em grandes empresas nacionais e multinacionais.

“Como coach, atendo pessoas que buscam alavancar suas carreiras e atingir excelentes resultados na vida”, diz.

É autor de artigos publicados na web sobre o comportamento humano, tendo publicado 12 textos compartilhados em diversas redes sociais.

É coautor do Livro “Treinamentos Comportamentais – Seja um treinador de si mesmo e atinja excelentes resultados” (Editora Ser Mais) e palestrante comportamental, atuando com grandes empresas no âmbito nacional.

Escrito por:

Da redação