Publicado 01 de Maio de 2014 - 0h40

Por Agência Estado

O Cruzeiro superou muitas adversidades e conquistou uma vitória heroica sobre o Cerro Porteño no Paraguai

France Press

O Cruzeiro superou muitas adversidades e conquistou uma vitória heroica sobre o Cerro Porteño no Paraguai

O Cruzeiro conquistou, nesta quarta-feira (30), uma emocionante classificação para as quartas de final da Copa Libertadores superando várias adversidades. Atuando fora de casa, o time derrotou o Cerro Porteño por 2 a 0, no Estádio General Pablo Rojas, em Assunção, tendo marcado o seu primeiro logo após ter o zagueiro Bruno Rodrigo expulso, com Dedé. Depois, nos descontos, Dagoberto selou de vez a classificação ao marcar o segundo gol da equipe.

Assim, o time mineiro avançou mesmo após ter apenas empatado com o Cerro por 1 a 1, em casa, no Mineirão, numa partida em que só conseguiu igualar o placar no último lance, com o gol marcado pelo paraguaio Samudio. Dessa vez, os heróis cruzeirenses foram o zagueiro Dedé e o atacante Dagoberto, que iniciou o duelo no banco de reservas.

Com essa classificação, o Cruzeiro repetiu o roteiro da fase de grupos da Libertadores, quando esteve próximo de ser eliminado, mas acabou avançando com uma vitória na rodada final da sua chave, também como visitante, daquela vez, diante da Universidad de Chile.

O JOGO - Nesta quarta, o Cruzeiro encontrou dificuldades para conter a velocidade dos irmãos Angel e Oscar Romero, especialmente, no primeiro tempo, mas evitou ser vazado e conseguiu garantir a sua classificação em um momento de adversidade, quando o Cerro Porteño tinha um jogador a mais em campo - depois, o time paraguaio teve dois expulsos, mas, apenas, um deles estava em campo. No final, ainda aproveitou o nervosismo do adversário para ampliar o marcador.

Cerro Porteño e Cruzeiro começaram a partida desta quarta em ritmo forte, tanto que criaram chances de gols nos momentos iniciais do jogo. A primeira delas foi com Julio Baptista, mas a mais perigosa acabou sendo do time paraguaio, aos dois minutos, quando Oscar Romero cruzou para Guiza, que cabeceou por cima da meta defendida por Fábio.

O time da casa, então, passou a sobressair com a individualidade dos irmãos Oscar e Angel Romero, que aplicou dribles desconcertantes sobre Bruno Rodrigo, Dedé e Lucas Silva em diferentes lances. Depois de um deles, aos oito minutos, ele passou para Corujo, que bateu firme de dentro da grande área, obrigando Fábio a realizar bela defesa.

Com o controle do jogo, o Cerro Porteño desperdiçava várias oportunidades de gol. Aos 17 minutos, Bonet cruzou para Angel Romero, que bateu de primeira e acertou o travessão cruzeirense. Os irmãos Romero, aliás, sobressaíam diante dos zagueiros cruzeirenses, tanto que Dedé e Bruno Rodrigo foram advertidos com o cartão amarelo praticamente em sequência.

Acuado, o Cruzeiro só conseguiu responder aos 33 minutos, quando Henrique lançou Everton Ribeiro na entrada da área. O meia chutou forte, mas a bola acabou indo para fora. O lance, aliás, representou uma mudança de panorama na partida, pois o time mineiro conseguiu equilibrar o restante da etapa inicial.

O começo do segundo tempo também foi mais igual, pois o Cruzeiro conseguiu ficar por mais tempo com a posse de bola no campo de ataque. Mas a primeira chance clara foi do Cerro, aos nove minutos, com um chute de longe de Guiza, defendido por Fábio. A resposta do Cruzeiro foi praticamente imediata. Aos 12 minutos, Everton Ribeiro acionou Júlio Baptista na grande área. Ele finalizou para a defesa de Fernández.

Com o Cruzeiro sendo eliminado, o técnico Marcelo Oliveira promoveu as entradas de Dagoberto e Borges. E o time passou a se expor mais aos contra-ataques do Cerro. Em um deles, aos 25 minutos, Guiza finalizou rasteiro e a bola passou rente à trave direita do time mineiro.

A situação do Cruzeiro pareceu se complicar aos 32 minutos, quando o zagueiro Bruno Rodrigo foi expulso após cometer falta em Beltran. Mas logo depois, aos 34 minutos, o time mineiro abriu o placar da partida. Everton Ribeiro cobrou falta da intermediária e Dedé cabeceou para as redes, com a bola encobrindo o goleiro Fernández.

O gol enervou o Cerro Porteño, que teve Corujo expulso por chutar Dagoberto, e também Guiza, que já havia sido substituído, por reclamação. O time ainda tentou empatar o jogo e levar a definição da vaga para as quartas de final da Libertadores nos pênaltis, mas não teve sucesso.

A sua grande chance surgiu aos 47 minutos, quando Gamarra recebeu passe na grande área e chutou para fora. No contra-ataque, então, Dagoberto aproveitou vacilo da defesa do Cerro e chutou rasteiro para fazer 2 a 0, aos 48 minutos. Assim, o Cruzeiro avançou no torneio continental, mais uma vez fora de casa e com muita emoção.

OUTRO JOGO - Também nesta quarta, o Arsenal, da Argentina, se classificou às quartas de final ao derrotar o Union Española, no Chile, por 1 a 0. Seu adversário será o Nacional, com a primeira partida sendo disputada no Paraguai.

FICHA TÉCNICA:

CERRO PORTEÑO (PAR) 0 x 2 CRUZEIRO

CERRO PORTEÑO - Roberto Fernández; Carlos Bonet, Luis Cardozo, Danilo Ortiz e Júnior Alonso (Gamarra); Mathías Corujo, Julio dos Santos, Fidencio Oviedo e Óscar Romero; Ángel Romero (Diego Godoy) e Daniel Güiza (Guillermo Beltrán). Técnico: Francisco Arce.

CRUZEIRO - Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samudio; Henrique Lucas Silva, Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Willian (Dagoberto); Júlio Baptista (Borges, depois Léo). Técnico: Marcelo Oliveira.

GOLS - Dedé, aos 34, e Dagoberto, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Dedé, Luan (no banco) e Samudio (Cruzeiro).

CARTÕES VERMELHOS - Mathías Corujo e Daniel Guiza (Cerro Porteño) e Bruno Rodrigo (Cruzeiro).

ÁRBITRO - Darío Ubriaco (Fifa/Uruguai).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio General Pablo Rojas, em Assunção (Paraguai).

Escrito por:

Agência Estado