Publicado 02 de Maio de 2014 - 22h24

Homem pesca na represa do Jaguari, que abastece o Cantareira: a seca que atinge a região baixou o nível de água e causou rachaduras no solo

César Rodrigues/26mar2014/AAN

Homem pesca na represa do Jaguari, que abastece o Cantareira: a seca que atinge a região baixou o nível de água e causou rachaduras no solo

O presidente do Conselho da Região Metropolitana de Campinas (CD-RMC) e prefeito de Holambra, Fernando de Godoy (PTB), vai propor aos prefeitos da região a adoção de um bônus regional para os consumidores que reduzirem o consumo de água.

A medida já foi anunciada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para as cinco cidades da região abastecidas pela empresa: Hortolândia, Itatiba, Monte Mor, Morungaba e Paulínia. Os municípios da região, no entanto, estão fora do programa que cobrará 30% de quem elevar o gasto com água em relação à média dos 12 meses do ano passado.

Segundo Godoy, na próxima sexta-feira (9) será realizada uma reunião com os prefeitos da região, quando será sugerido que os municípios adotem o desconto para o consumidor que reduzir o consumo de água. “Temos uma reunião na sexta-feira para discutir o bônus.

Algumas prefeituras tem o departamento de água e fazem tratamento próprio. Vamos discutir com os prefeitos e acho importante que isso aconteça (bônus), porque entendemos que a falta de chuva irá até setembro ou outubro” destacou o presidente do CD-RMC.

Outros assuntos que estarão em pauta na reunião com os prefeitos são a epidemia de dengue e a campanha nos jornais e TV que será lançada para orientar a população a reduzir o consumo de água e eliminar os focos de dengue.

Para Godoy, a crise hídrica é um problema que atinge todos os municípios da região, por isso deve ser combatida com ações integradas e não de modo regional. “Sem dúvida temos que pensar a nível regional. O morador de Holambra, por exemplo, trabalha em Campinas e estuda em Indaiatuba. Todo mundo sofre e isso afeta a todos”, acrescentou Godoy. Campinas

Apesar do intenção do presidente do CD-RMC de todas as cidades da região aderirem ao bônus, o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), disse nesta semana que a cidade de Campinas não irá adotar a bonificação para quem economizar água. Segundo o prefeito, os custos com o tratamento de água na Sanasa são maiores.

“O sistema é diferente. 95% da água tratada pela Sanasa é do Rio Atibaia. A Sabesp pega direto do reservatório. O custo do tratamento é maior. Mas se a pessoas economizarem água, a própria conta irá diminuir.” Sobre um possível racionamento, ele disse que a resposta virá do Rio Atibaia. O prefeito afirmou que Sanasa tem trabalhado de forma a evitar o racionamento, mas que ele não está descartado.

“Eu já disse que o racionamento é uma decisão técnica, não política. Temos um plano de contingenciamento em rodízio, onde, a cada dia, uma região da cidade ficaria sem água”, explicou. Mas, segundo Jonas, essa é uma medida que não deve acontecer nas próximas semanas. “Temos o limite de quatro metros cúbicos por segundo de vazão do Rio Atibaia. Estamos na dependência do volume do rio e pensando no futuro. O racionamento não é algo ruim. Talvez seja algo necessário, mas vamos manter o abastecimento normal o máximo possível”, disse.