Publicado 30 de Abril de 2014 - 5h30

[CR_TXT_EMAIL][email protected]

Promotoria abre inquérito para apurar a epidemia

O Ministério Público informou ontem que abriu um inquérito civil, na última segunda-feira, para investigar as causas da pior epidemia de dengue na história de Campinas, com 17,1 mil casos confirmados pela Secretaria de Saúde nesta semana.

A promotora Cristiane Correa de Souza Hillal determinou que a Prefeitura informe, no prazo de 15 dias, todas as ações que foram feitas e o plano de ação de combate que deve estar sendo implantado para o combate à doença no município.

Entre os questionamentos estão quantos casos de pessoas infectadas pela doença foram registrados de 2011 até o momento, ano a ano e qual o índice de infestação predial por bairro detectado no mesmo período.

A promotora também quer que a Administração informe qual o número de casos detectados por bairro, no município e qual o tempo entre a coleta e o diagnóstico laboratorial dos casos de dengue na rede pública municipal.

Em relação aos óbitos provocados pela doença, o Ministério Público quer informações sobre qual o percentual em relação ao número de casos constados nos últimos três anos. Este ano, segundo a Prefeitura, foi constatada uma morte provocada pela doença, e quatro seguem em investigação.

A promotora questionou ainda quais as providências que o Município pretende realizar para que as metas traçadas pela Vigilância Sanitária sejam efetivamente atingidas. O secretário de Saúde, Carmino de Souza, afirmou ontem à noite ao Correio, por telefone, que a Prefeitura ainda não foi notificada e que, assim que o for, responderá “prontamente” aos questionamentos do Ministério Público.

A Promotoria não informou ontem quem moveu a ação que desencadeou a abertura da investigação sobre a epidemia. Na semana passada, o Conselho Municipal de Saúde aprovou o envio de uma representação à Promotoria pedindo que a responsabilidade pelos casos de dengue este ano fossem apuradas. O conselho, no entanto, também não soube dizer se a decisão do MP é decorrente desse pedido. (SB/AAN)