Publicado 30 de Abril de 2014 - 5h30

O Real Madrid não tomou conhecimento do Bayern de Munique, ontem, e despachou o atual campeão com o expressivo placar de 4 a 0, na Allianz Arena, em Munique. Mesmo jogando na casa do rival, o time espanhol fez valer seu mortal contra-ataque, em detrimento ao toque de bola dos alemães, e garantiu seu lugar na grande final da Liga dos Campeões da Europa. No placar geral, fechou o confronto por 5 a 0. Agora o time espanhol aguarda pelo confronto entre Chelsea e Atlético de Madrid, hoje, no estádio do time londrino, em Stamford Bridge. O jogo de ida, em Madri, terminou sem gols. A grande decisão da Liga dos Campeões está marcada para o dia 24 de maio, em Lisboa.

O Real Madrid encerrou ontem um jejum de 12 anos sem jogar uma final do torneio europeu, após cair nas três semifinais anteriores. De quebra, encerrou o domínio recente do Bayern de Munique, que sonhava com a terceira decisão consecutiva — a quarta das últimas cinco edições.

A grande vitória ainda devolveu a eliminação na semifinal de 2012, quando o Bayern de Munique levara a melhor pela quarta vez sobre o Real Madrid nesta fase da competição. Até então, os espanhóis só haviam batido o rival alemão na semifinal em 2000.

O Real Madrid comemorou ainda o feito individual de Cristiano Ronaldo. O atacante português marcou seus 15 e 16 gols, novo recorde em uma edição da Liga dos Campeões. Ele deixou para trás o rival Lionel Messi e o brasileiro Mazzola, ambos com 14 gols.

Melhor em campo, o Real fez valer a superioridade no placar aos 15'. Após cobrança de escanteio, Sérgio Ramos cabeceou para as redes e silenciou a Allianz Arena. Foram necessários apenas quatro minutos para o visitante repetir a dose em jogada quase idêntica. Modric cobrou falta na área e o mesmo Sérgio Ramos mandou de cabeça para o gol.

Depois dos gols em bola parada, foi a vez do Real lembrar seu incrível poder ofensivo em contra-ataque. E, aos 33', Bale disparou pela intermediária e deu passe para Cristiano Ronaldo, também sem marcação, bater por baixo das pernas do goleiro Neuer. Os gols abalaram os jogadores do Bayern. Pequenos desentendimentos aumentaram dentro de campo e o árbitro precisava intervir com frequência.

Sem esconder o desânimo diante da inesperada desvantagem, o Bayern de Munique foi para o ataque no segundo tempo. Finalizou mais, permaneceu a maior parte do tempo cercando a área do Real Madrid. Mas não conseguia diminuir o placar por causa da eficiente defesa espanhola.

Nem as entradas de Götze, Javi Martínez e Pizarro, nas vagas de Ribéry, Mandzukic e Thomaz Müller, na metade da etapa, mudou o jogo para o Bayern de Munique. O time da casa seguia limitado no ataque. Valorizava demais a posse e finalizava pouco.

Mais cauteloso, o Real Madrid fechava os espaços na intermediária para minimizar o efeito da posse de bola do rival e fazia intervenções eficientes na defesa. Na parte final, o técnico Carlo Ancelotti deu chances ao jovem Isco e ao brasileiro Casemiro, que entrou em campo aos 38', na vaga de Di María, mas não teve pouco tempo para mostrar serviço.

Mas o volante pôde assistir ao quarto gol dos espanhóis em Munique. Em cobrança de falta despretensiosa, Cristiano Ronaldo bateu rasteiro e viu a barreira abrir e sabotar Neuer. A bola morreu no canto direito do goleiro, selando a goleada dos visitantes, aos 44'. (Da Agência Estado)

BAYERN DE MUNIQUE

Neuer; Lahm, Boateng, Dante e Alaba; Schweinsteiger, Muller (Pizarro) e Kroos; Robben, Mandzukic (Javi Martínez) e Ribéry (Gotze). Técnico: Pep Guardiola.

1

Na história que o Bayern de Munique sofreu uma derrota por 4 gols em competições europeias.

AS FRASES

“Esta vitória teve a cara do Real Madrid e poder marcar dois gols é um verdadeiro sonho.”