Publicado 30 de Abril de 2014 - 5h00

Milene Moreto - ig

AAN

Milene Moreto - ig

A entrega do Título de Cidadão Campineiro ao ex-ministro da Saúde e pré-candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, levou um grupo consistente à Câmara na noite de ontem. Até o ex-prefeito Pedro Serafim (PDT) esteve por lá e foi chamado para compor a mesa. Teve apresentação de dança, discursos em defesa de Padilha e elogios às políticas do PT. O petista tomou um chá de cadeira antes de receber a homenagem, o que só aconteceu tarde da noite, mas manteve o sorriso de candidato.

Não escapou

Padilha mais uma vez precisou explicar o envolvimento do seu nome com as denúncias da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que tem como alvo o doleiro Alberto Youssef. O petista voltou a falar que está “incomodando”, por isso, as denúncias, e que “abomina” ter sido ligado ao processo. Disse que vai à Justiça processar quem utilizou seu nome para obter qualquer vantagem. O pré-candidato afirmou estar tranquilo.

Direto

Em sua passagem por Campinas, Padilha não economizou nas críticas ao governo do Estado. Mas, segundo o petista, não é ele quem ataca o PSDB. “Você acha que a população de Campinas está feliz com a política de Segurança Pública? É a cidade que faz a crítica”, disse o pré-candidato. Padilha tem disparado sua artilharia nas políticas de Segurança Pública e na crise hídrica. Questionado se manteria alguma das políticas implementadas pelos tucanos ao longo dos 20 anos de poder no Estado, Padilha afirmou que iria avaliar e que não tem nenhum problema em dar andamento e manter o que for bom. Situação estranha

Enquanto os petistas aguardavam no plenário a chegada do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, os tucanos participavam de um debate bem ao lado, no plenarinho. Quem esteve por lá disse que a convivência foi pacífica.

Vai de BB

Depois de ter aberto a concorrência para contratar um banco que ficasse responsável pela folha de pagamento, e depois que ninguém se interessou, a Câmara renovou por um ano o contrato com o Banco do Brasil.

MP

Os petistas de Campinas entraram com uma representação no Ministério Público para cobrar investigação sobre o número de cargos em comissão criados pelo governo do prefeito Jonas Donizette (PSB). O Executivo aprovou a criação de 137 novos cargos, sendo 63 de livre nomeação. A justificativa para as novas vagas foi a de que o quadro passou por revisão a pedido do próprio MP.

Tudo em casa

O novo secretário de Governo do prefeito de Paulínia, Edson Moura Júnior (PMDB), é o funcionário público Ademir Pereira, irmão do ex-secretário da pasta e pré-candidato a deputado federal Jaime Donizete (PSC), o Jaiminho, que deixou o cargo recentemente por causa de sua campanha. Pereira presta serviço na Guarda Municipal. O novo secretário Governo de Moura Júnior foi escolhido num consenso entre Jaiminho e o prefeito. No fim, tudo acabou em família.

As grades

E não é que o presidente da Câmara, Campos Filho (DEM), retirou ontem do plenário as grades que separam o público dos vereadores? A barreira foi retirada para a cerimônia de entrega do Título de Cidadão Campineiro para Padilha. Só que “em dias normais”, o democrata, assim como os demais parlamentares, decidiram pela colocação das grades, principalmente nas sessões, após as manifestações do ano passado. Segundo alguns legisladores, não é possível saber se quem entra na Casa é honesto ou marginal.