Publicado 29 de Abril de 2014 - 11h12

Corregedoria instaurou sindicância para apurar a ocorrência

Divulgação

Corregedoria instaurou sindicância para apurar a ocorrência

A noite desta segunda-feira (28) terminou com três funcionários feridos e a fuga de 17 internos na Fundação Casa de Mongaguá, no litoral de São Paulo.

O tumulto aconteceu por volta das 21h, quando os adolescentes se recolhiam aos dormitórios.

 

De acordo com a assessoria de imprensa da Fundação, um grupo dos jovens rendeu os agentes e bloqueou o acesso ao módulo I do centro socioeducativo.

 

Em seguida, eles conseguiram quebrar as paredes dos dormitórios, acessaram o pátio e pularam o muro.

A Corregedoria Geral da Fundação Casa instaurou sindicância para apurar a ocorrência.

 

Em nota, o órgão afirma que a Polícia Militar foi acionada para realizar buscas pelos adolescentes na região.

 

Segundo os oficiais, a farta vegetação ao redor da unidade facilitou a fuga dos indivíduos. Até o momento, ninguém foi capturado.

“Caso sejam recapturados, uma Comissão de Avaliação Disciplinar (CAD) irá analisar as sanções disciplinares a serem aplicadas”, destaca a nota.

A comissão é formada por servidores de várias áreas do próprio centro socioeducativo.

O Judiciário e os familiares dos jovens já foram informados da ocorrência.

Déficit

Um dos agentes alega que a situação de tensão diária na instituição é causada por déficit de funcionários. No momento do conflito, quatro agentes teriam tentado conter cerca de 60 menores de idade, sem sucesso.

Os relatos são de que os internos agrediram os funcionários, arremessaram cadeiras, queimaram colchões e cobertores e destruíram algumas áreas da unidade, utilizando barras de ferro.

Os três funcionários machucados receberam atendimento na ambulância no Serviço de Atendimento Médico de Urgência e passam bem. Um deles acabou com um corte na orelha. Outros dois ficaram com hematomas espalhados pelo corpo.

Questionada sobre o déficit de funcionários na instituição, a Fundação Casa respondeu que o centro tem capacidade para 64 adolescentes e, no momento da fuga, abrigava 63 jovens.

“O quadro de funcionários no momento da ocorrência estava completo e não divulgamos o número total de servidores por motivo de segurança”.

 

Veja também