Publicado 30 de Abril de 2014 - 18h52

Por France Press

Pelo menos três pessoas morreram, e 79 ficaram feridas nesta quarta-feira (30) na explosão dentro de uma estação de trem de Xinjiang, no oeste da China, no momento em que o presidente chinês, Xi Jinping, faz uma visita à região, anunciou a agência de notícias Xinhua.

Os agressores esfaquearam usuários e detonaram artefatos explosivos no local, acrescentou a agência Nova China.

A explosão, classificada pela agência de notícias estatal de "violento ataque terrorista", foi registrada por volta das 19h (horário local), na estação de trens do sul de Urumqi, capital de Xinjiang, "em bagagens abandonadas entre a saída da estação e um ponto de ônibus".

Os primeiros comentários de internautas sobre o incidente e várias mensagens publicadas pela imprensa não passaram pela censura chinesa e foram suprimidos somente horas após a explosão, assim como as imagens do local do incidente.

O acesso à estação, a mais movimentada de Xinjiang, foi reaberto por volta das 21h (hora local), depois da retirada das pessoas presentes no momento da explosão, disse a Xinhua.

As autoridades chinesas consideram "muito sensível" a divulgação de qualquer incidente desse tipo, como o massacre na estação de Kunming (sul), no início de março. Pelo menos 29 pessoas morreram e 143 ficaram feridas, em um ataque cometido por homens armados com facas. Membros da minoria étnica uigur provenientes de Xinjiang foram acusados pela agressão.

Em visita à região, o presidente chinês considerou que Xinjiang é "a linha de frente" da luta contra o terrorismo, segundo declarações divulgadas nesta quarta-feira pela imprensa oficial.

A China iniciará em Xinjiang uma estratégia antiterrorista que consiste em atacar primeiro para assustar os inimigos e inspirar os cidadãos, acrescentou Xi Jinping, citado pela Xinhua.

Os uigures, muçulmanos de língua turca, são a principal etnia dessa região chinesa, mas dizem ser vítimas de uma política repressiva da etnia Han, majoritária na China, contra sua religião e cultura.

Escrito por:

France Press