Publicado 30 de Abril de 2014 - 23h03

Por Maria Teresa Costa

Usina Salto Grande, da CPFL, que utiliza água para gerar energia elétrica, reduz a vazão no Rio Atibaia

Edu Fortes/AAN

Usina Salto Grande, da CPFL, que utiliza água para gerar energia elétrica, reduz a vazão no Rio Atibaia

A partir desta quinta-feira (1), 12,5% da população das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) passarão a receber um bônus se economizarem água. Quem reduzir o consumo em 20% ganhará 30% de desconto no valor total da conta. A medida valerá para Hortolândia, Itatiba, Monte Mor, Paulínia e Morungaba, na Região Metropolitana de Campinas (RMC), e também para Bragança Paulista, Piracaia, Nazaré Paulista, Joanópolis, Vargem e Pinhalzinho.

No total, a medida atingirá cerca de 700 mil pessoas que são atendidas pela Sociedade de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A empresa está estendendo o desconto para toda a sua base de concessão — até agora 17 milhões de pessoas da Grande São Paulo tinham direito ao bônus.

A decisão ocorre no momento em que o Sistema Cantareira enfrenta seu nível mais crítico e cidades das Bacias PCJ e do Alto Tietê começam a se preparar para adotar medidas de restrições de uso de água. Até agora a Sabesp trabalhava com os descontos apenas para 31 municípios da Grande São Paulo, sem incluir a região de Campinas, porque, segundo a empresa, as cinco cidades não fazem parte do sistema integrado de abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo.

Prefeitos

Os prefeitos da região cobraram o benefício. O prefeito de Monte Mor, Thiago Giatti Assis (PMDB), reivindicou a inclusão da cidade no bônus por entender que é preciso que a população economize água e que o desconto em conta é um estímulo importante. O prefeito de Hortolândia, Antônio Meira (PT), havia pedido que a cidade fosse incluída na concessão do bônus já em fevereiro, quando o programa foi lançado.

Da mesma forma, o prefeito José Roberto Zem (PV), de Morungaba, pediu o bônus, como o prefeito de Itatiba, João Gualberto Fattori (PSDB), que mesmo a Sabesp garantindo ao município que não haverá racionamento de água, solicitou da companhia informações sobre a possibilidade de os consumidores serem beneficiados com o bônus oferecido àqueles que economizarem água.

O agravamento da crise hídrica levou a empresa a ampliar o bônus. No primeiro mês de avaliação do programa, a Sabesp conseguiu que 76% dos consumidores elegíveis aderissem ao programa de economia de água. Desses, 37% tiveram bônus e outros 39% economizaram, mas não atingiram a meta que daria direito ao desconto. Uma fatia de 24% dos consumidores não economizou água.

Segundo a Secretaria de Saneamento do Estado, cerca de 75% dos consumidores na Grande São Paulo conseguiram reduzir o consumo de água desde o início da campanha, em fevereiro, mas 25% aumentaram o consumo.

Escrito por:

Maria Teresa Costa