Publicado 06 de Março de 2014 - 0h56

Por José Ricardo Ferreira

Adilson ainda não balançou as redes: pensamento do jogador é aproveitar mais uma chance no time principal

Del Rodrigues/Divulgação

Adilson ainda não balançou as redes: pensamento do jogador é aproveitar mais uma chance no time principal

O XV de Piracicaba enfrenta o Penapolense, nesta quinta-feira (6), às 19h30, no estádio Tenente Carriço, pela 12ª rodada do Paulistão. Em campo, a equipe não engrenou no campeonato e amarga a 16ª posição (5º no Grupo B com 11 pontos), bem perto da zona de descenso. O time também não sabe o que é vencer fora de casa neste campeonato.

Fora de campo, o diretor de futebol, Renato Bonfiglio, tem sido pressionado por torcedores para deixar o cargo e sua casa foi alvo de bombas caseiras, na última sexta-feira (28), possivelmente atiradas por torcedores descontentes com a situação da equipe na classificação e com a diretoria do clube. Só uma vitória, nesta quinta, em Penápolis, amenizará um pouco esse cenário de crise no Barão.

O presidente Celso Christofoletti diz que até um empate não seria um mau resultado. Porém, uma derrota fará do Barão, na próxima semana, um caldeirão em ebulição.

O técnico Edison Só tem sido refém das lesões no elenco. Nesta quinta, não contará com os contundidos Danilo Sacramento e Breitner (meias) e os atacantes Macena e Junior Barros, além do zagueiro Pitty (cumpre suspensão).

Danilinho ou Jean Carioca são opções na criação. Adilson é nome certo na frente, bem como Rodrigo na zaga. O lateral Paulo Henrique também está à disposição do treinador.

Apreensiva com os últimos acontecimentos, a comissão técnica do XV decidiu deixar Piracicaba na terça-feira (4) para se concentrar em um hotel com campo de futebol, próximo a Penápolis, e, com isso, ficar longe da pressão da torcida. Se dará resultado, só o placar desta quinta responderá a isso.

Na semana passada, pelo menos 20 torcedores da uniformizada Esquadrão tiveram autorização para entrar no vestiário e conversar com os jogadores, prometendo apoiá-los incondicionalmente nessas últimas quatro rodadas. A “visita” aconteceu horas depois de vândalos jogarem bomba na residência de Bonfiglio e picharem muros do estádio.

Como o time viajou na terça de Carnaval, não houve coletiva de imprensa. Mas o técnico Edison Só deixou claro na semana passada sua preocupação com a violência e com a situação do time na tabela de classificação. “Precisamos absorver com inteligência esses acontecimentos. Vamos continuar trabalhando para deixar o XV em uma situação mais confortável”, afirmou. Quanto às contusões no grupo, ele disse que não é hora de ficar lamentando essa situação e sim de buscar soluções no próprio grupo. Otimista, Só disse que o time vai reagir. “Tenho certeza de que em Penápolis, o time estará mais organizado para trazer um vitória ou pontuar”, declarou.

Entre os jogadores mais pressionados, o atacante Adilson, que ainda não marcou nesse Paulistão, disse, nesta quarta-feira (5), que está motivado. “Vou procurar aproveitar o jogo contra o Penapolense da melhor maneira possível”, declarou o atacante. Ele aprovou a concentração de dois dias em Penápolis.

O zagueiro Rodrigo também está crente na reabilitação diante do respeitável Penapolense. “O grupo tem condições de sair com um resultado positivo, no mínimo um ponto”, afirmou.

ADVERSÁRIO

O Penapolense está bem no Paulistão. É o vice-líder do Grupo A e 11º colocado na classificação geral, com 18 pontos. O time sob o comando do técnico Narciso dos Santos está bem próximo das quartas de final. A equipe joga, nesta quinta, desfalcada de Washington (meia) e Douglas Tanque (atacante), ambos cumprirão suspensão automática. Para encher o estádio, a diretoria bancou preços únicos e promocionais de R$ 20 para os setores de arquibancadas descobertas.

Pela A1, apenas um jogo na história, no ano passado, quando o Penapolense venceu o XV por 2 a 0 em casa. Na história dos jogos - que inclui a Série A3, duas vitórias do Penapolense, uma do XV e três empates, conforme pesquisa do radialista Vitor Prates.

Escrito por:

José Ricardo Ferreira