Publicado 01 de Março de 2014 - 5h30

Em uma de suas primeiras entrevistas de 2014, Maicon cobrou uma mudança de postura dos companheiros e disse que os jogadores do São Paulo precisavam ser mais unidos e não ficar com "biquinho" caso não comecem os jogos como titulares. Dois meses depois, o meia são-paulino vê o elenco com uma postura diferente do ano passado e acredita que todos entenderam que é preciso trabalhar como grupo para alcançar os objetivos.

O "biquinho" dos jogadores que não aceitavam ir para o banco, acredita, ficou para trás. "Cada um tem sua forma de pensar e responder, mas temos que formar um grupo forte, só assim é que vamos para frente. Quem está fora precisa treinar forte para corresponder quando for necessário. As pessoas entenderam isso", afirmou o jogador são-paulino.

Maicon talvez seja um dos mais indicados para falar sobre o assunto. Entrar e sair do time é uma rotina desde que chegou ao clube, em 2011, mas ele nunca reclamou e trocou a cara feia pelo trabalho, fato que cativou todos os treinadores e sempre garantiu presença constante na equipe.

"Tem um grupo de 28 jogadores, só podem jogar 11. Todo mundo treina durante a semana e o técnico escolhe. Quem fica fora, precisa treinar, respeitar o companheiro e, a hora que tiver chance, aproveitar. Ninguém gosta de ficar na reserva. Joguei seis partidas, fiquei fora de dois jogos e depois voltei e joguei mais três. Não adianta ficar no cantinho, de biquinho, fazendo panelinha. Isso agora não está mais acontecendo", completou Maicon.

Luis Ricardo

O São Paulo pode ganhar um atacante dentro do próprio elenco. O lateral-direito Luis Ricardo fez seu primeiro gol pelo clube contra o XV de Piracicaba e, a julgar pela sua atuação, pode começar a ser opção para o setor ofensivo. (Da Agência Estado)