Publicado 02 de Março de 2014 - 15h00

Por Vilma Gasques

Encontro é realizado há 32 anos em Campinas com orações e músicas

Elcio Alves/AAN

Encontro é realizado há 32 anos em Campinas com orações e músicas

Substituir a festa típica do Carnaval por uma comemoração religiosa é a opção dos jovens que não querem muito agito nestes dias de folia. É assim que os católicos aproveitam os quatro dias de festa do Momo em Campinas, com orações e músicas num encontro que é realizado na cidade há 32 anos: o Rebanhão.

Nesse ano tema do evento "Reunidos num só corpo pela força da cruz" , é uma reflexão o sobre a forma de trabalhar em unidade, um pedido feito por Jesus Cristo, para que os cristãos sejam unidos na fé, respeitando as diferenças.

 

O Rebanhão deve reunir, durante os quatro dias em que é realizado, cerca de 4 a 5 mil pessoas no Ginásio Poliesportivo da Escola Salesiana São José, um público formado especialmente por jovens que se preparam para a campanha da Fraternidade, iniciada na quarta-feira de Cinzas, e que terá como tema "É para a liberdade que Cristo nos libertou" .

 De acordo com o coordenador do Rebanhão 2014 em Campinas, Hevane Pereira Roberti, o evento é organizado pela Comissão Arquidiocesana da Renovação Carismática Católica e é significativo porque oferece a alegria de passar os dias de Carnaval louvando, bendizendo e orando com Jesus Cristo.

"São dias em que nos dedicamos à oração, música, pregação, atividades artísticas e muito louvor. Aproveitamos o período para fazer um encontro de espiritualidade e festejar com a alegria de sermos cristãos", diz.

As atividades começam por volta das 9h. Durante o dia as orações e pregações ganham destaque. Mas as atividades vão até a noite, quando são realizadas ações culturais.

"Todos os eventos são voltados para a discussão do tema central, que foi muito discutido em toda a Renovação Carismática. E a partir daqui todos levam o tema para refletir em suas comunidades, nos trabalhos realizados e nos grupos de orações durante o ano inteiro. Trabalhando esta unidade na fé, num só Deus e numa só doutrina, nos tornamos mais fortes. É uma transformação do mundo" , ressalta.

O momento não é de refletir sobre outros, como as novas diretrizes dadas à Igreja pelo Para Francisco, que já direciona novos caminhos para os católicos, como a discussão sobre a homossexualidade.

 

"A palavra da Igreja Católica é a palavra da Igreja Católica. Acreditamos que tudo acontece pela vontade de Deus. Além disso, a doutrina da Igreja permanece a mesma e o que acontece são mudanças no jeito de acolher, no jeito de olhar cada momento do mundo, no jeito de agir das pastorais. Mas nada muda é mudado nos ensinamentos de Deus", garante.

 Os participantes, a maioria jovens, são de Campinas. Mas também há pessoas de Valinhos, Vinhedo, Indaiatuba, Elias Fausto, Monte Mor, Sumaré, Hortolândia e Paulínia. Para quem participa do Rebanhão, o momento é oportuno para buscar a paz interior, deixando de lado a festa de Carnaval.

 

O estudante Robson de Castro Ribas, de Paulínia, diz que participa do encontro todos os dias. Esta já é a terceira vez que ele deixa de lado as festividades típicas dos jovens da sua idade para ouvir os ensinamentos religiosos.

 

"Eu busco curtir o Carnaval de uma forma diferente. Aqui eu sinto alegria e a presença de Jesus. Eu gosto de Carnaval, mas dessa forma, com os amigos e diante de Deus" , ressalta.

 

Para ele, as sensações que sente ao participar do Rebanhão são inexplicáveis. "Muitas vezes eu estou com problemas, com mágoas no coração. E aqui eu me liberto disso, fico livre", resume.

A auxiliar administrativa Maristela Freitas Ricardi diz que o retiro é o seu Carnaval preferido. "Eu gosto da alegria contagiante que temos aqui" , diz, lembrando que se sente em paz e sintonia, entregando os sofrimentos, os pedidos e agradecimentos a Jesus.

O Rebanhão 2014 vai até amanhã. O encerramento será feito com uma missão celebrada pelo Arcebispo Metropolitano de Campinas, dom Airton José dos Santos, às 16h, no próprio local de realização do evento.

 

Veja também

Escrito por:

Vilma Gasques