Publicado 02 de Março de 2014 - 10h40

Por Agência Estado

Os desfiles das grandes escolas de samba do Rio começam hoje numa noite heterogênea

Divulgação

Os desfiles das grandes escolas de samba do Rio começam hoje numa noite heterogênea

Os desfiles das grandes escolas de samba do Rio começam hoje numa noite heterogênea: as três primeiras agremiações, Império da Tijuca, Grande Rio e São Clemente, nunca foram campeãs no Grupo Especial e não têm grande torcida. As três que se seguem são gigantes do carnaval, e levam consigo boa parte das arquibancadas: Mangueira, com 17 campeonatos, Salgueiro, com nove, e Beija-Flor, atual líder do ranking da Liga das Escolas, com 12 - metade disso no século 21.

A Beija-Flor tenta mais um campeonato com um enredo-tributo ao diretor de televisão José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni e, a partir dele, conta a história da comunicação humana. A linha do tempo vai dos primórdios da escrita à internet rápida. "Pouco luxo e muita tecnologia", nas palavras de Boni, ativo no barracão, será a marca da escola da Baixada Fluminense. Alegorias enormes - o abre-alas, que representa o desenvolvimento da escrita cuneiforme, tem 60 metros de comprimento - e muitos recursos tecnológicos prometem impressionar a plateia.

A interatividade será uma marca: a reação do público será filmada e transmitida em telões no último carro. "Acho que isso nunca foi feito antes na Sapucaí", arrisca Fran-Sérgio Oliveira, da comissão organizadora. Em se tratando de um personagem sem apelo popular, a escola quis fugir do enredo puramente biográfico. Artistas amigos do diretor, como Tarcísio Meira, Regina Duarte e Faustão, foram convidados para homenageá-lo.

Fé e ecologia vão se misturar no enredo do Salgueiro: Gaia - A vida em nossas mãos. As festas mais populares do País foram escolhidas para colorir a Mangueira.

A noite será aberta por uma sobrevivente. Por causa de dívidas pesadas, a Império da Tijuca quase se extinguiu. Em 2013, no entanto, com um enredo de temática negra, a agremiação voltou ao Grupo Especial, passados 17 anos na segunda divisão. A escola agora retorna a este universo com Batuk, que fala da religiosidade e ritmos da África.

Em busca da felicidade, a São Clemente mostrará a formação da primeira favela, onde hoje é o Morro da Providência. Com o único patrocínio declarado deste ano, a Grande Rio recebeu R$ 4,5 milhões da prefeitura de Maricá, a cidade-tema.

 

Escrito por:

Agência Estado