Publicado 03 de Março de 2014 - 12h11

Por France Press

A crise, uma das mais graves entre Moscou e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria, provocava quedas nas bolsas

France Press

A crise, uma das mais graves entre Moscou e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria, provocava quedas nas bolsas

Os países ocidentais aumentavam a pressão nesta segunda-feira para encontrar uma saída diplomática com a Rússia, acusada pela Ucrânia de ter optado pela guerra depois que comandos pró-russos se apoderaram da Península da Crimeia.

A crise, uma das mais graves entre Moscou e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria, provocava quedas nas bolsas (a de Moscou operava em baixa de mais de 5%), assim como altas no preço do petróleo.

O secretário americano de Estado, John Kerry, anunciou que visitará Kiev na terça-feira, para "reiterar o forte apoio dos Estados Unidos à soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia", indicou a porta-voz do departamento de Estado, Jen Psaki, em um comunicado.

Os Estados Unidos também pediram o envio imediato à Ucrânia de observadores da Organização para a Cooperação e Segurança na Europa (OSCE) para tentar "promover o respeito da integridade territorial" desta ex-república soviética, independente desde 1991.

O presidente vVladimir Putin considerou que a Rússia havia dado uma resposta totalmente adaptada à "ameaça constante de atos violentos por parte das forças ultranacionalistas" ucranianas, embora em uma conversa com a chefe de governo alemã, Angela Merkel, tenha aceitado a criação de um grupo de contato para iniciar um diálogo político sobre a Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, convocou a Rússia a reconsiderar, diante do que avaliou como "a maior crise na Europa no século XXI".

Hague e seu colega grego, Evangelos Venizelos, cujo país ocupa a presidência semestral da União Europeia (UE), se reunirão na terça-feira com as novas autoridades ucranianas, depois da destituição, no dia 22 de fevereiro, do presidente Viktor Yanukovytch pelo Parlamento ucraniano.

No domingo, os líderes do G7 de países mais industrializados condenaram a clara violação da soberania da Ucrânia por parte de Moscou e anunciaram a suspensão de seus preparativos visando a cúpula do G8 (G7+Rússia) em Sochi (Rússia) em junho.

- "A Rússia não quer a guerra" -

A Otan pediu que Kiev e Moscou cheguem a uma "solução pacífica" da crise através do diálogo e "a mobilização de observadores internacionais", segundo seu secretário-geral, Anders Fogh Rasmussen.

"A Rússia não quer a guerra com a Ucrânia", respondeu no domingo o vice-chanceler russo, Grigori Karasin.

A tensão persiste na Crimeia, embora os confrontos tenham sido evitados até agora.

A Península da Crimeia é uma zona autônoma ucraniana de dois milhões de habitantes, em sua maioria de língua russa, onde a frota russa do Mar Negro tem sua base.

A base militar de Perevalne, que abriga uma unidade da guarda-costeira ucraniana, a 20 km de Simferopol (a capital da Crimeia), foi cercada por centenas de homens armados com fuzis, constatou a AFP.

Segundo o ministério ucraniano da Defesa, que estimou seu número em mil efetivos, os atacantes queriam obrigar a guarda-costeira a entregar suas armas.

Vários locais estratégicos da península, como bases militares, aeroportos e edifícios oficiais, foram bloqueados por homens armados, cujos uniformes não têm insígnias, mas que, segundo os observadores, são soldados russos.

O almirante Denis Berezosvski, comandante-em-chefe da Marinha de guerra ucraniana, nomeado há alguns dias pelo presidente interino Olexander Turchynov, anunciou no domingo que aderia às autoridades locais pró-russas da Crimeia.

A Ucrânia advertiu no domingo que a tensão havia deixado esta região da Europa à beira do desastre e já afirmou que a presneça de forças russas na Crimeia constituía uma declaração de guerra.

"Se o presidente (russo Vladimir) Putin quer ser o presidente que começou uma guerra entre dois países vizinhos e amigos, está prestes a alcançar seu objetivo. Nós estamos à beira do desastre", advertiu no domingo o primeiro-ministro interino, Arseni Yatseniuk.

 

Tropas

 

Os militares russos continuam chegando em massa à Crimeia, violando os acordos internacionais, denunciaram nesta segunda-feira os guardas fronteiriços ucranianos.

Nas últimas 24 horas, dez helicópteros de combate e oito aviões de transporte russos aterrissaram na Crimeia, sem que a Ucrânia fosse avisada, contrariando o que preveem os acordos entre os dois países, indicaram as fontes.

O acordo sobre o estatuto da frota do Mar Negro russo, com base na Crimeia, estipula que o governo da Ucrânia deve ser informado com 72 horas de antecedência sobre qualquer movimento de tropas russas.

Desde o dia 1 de março, quatro navios de guerra russos da frota do Báltico também entraram no porto de Sebastopol, segundo a mesma fonte.

Nos últimos dias, soldados não identificados, que atuam em nome das autoridades pró-russas locais, tomaram o controle de uma parte da Crimeia, e atacaram soldados ucranianos em seus quartéis.

A Crimeia foi conquistada pela Rússia no fim do século XVIII. No seio da União Soviética pertenceu à Rússia, antes de passar à Ucrânia em 1954.

A Rússia já aumentou em 6.000 soldados sua presença na Crimeia, segundo o ministério ucraniano da Defesa.

E no sábado o Parlamento russo autorizou o presidente Vladimir Putin a empregar suas Forças Armadas na Ucrânia.

 

 

 

 

Veja também

 

Escrito por:

France Press