Publicado 02 de Março de 2014 - 20h28

Por Vilma Gasques

Distritos trabalham com meia equipe, ou seja, um delegado, um escrivão para registro de flagrantes e dois para atendimento ao público

Elcio Alves/AAN

Distritos trabalham com meia equipe, ou seja, um delegado, um escrivão para registro de flagrantes e dois para atendimento ao público

A prova de fogo para o funcionamento adequado da segunda delegacia Seccional de Campinas, no Jardim Londres, foi neste final de semana de Carnaval. E parece que o resultado da prova não foi satisfatório.

Inaugurada na sexta-feira (28) pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) com a promessa de agilizar os trabalhos da Polícia Civil na cidade, o local ganhou cinco equipes com oito pessoas cada uma, totalizando 40.

Desse total, 21 policiais vieram de São Paulo e houve um remanejamento de profissionais que atuavam em outras delegacias para o atendimento na nova Seccional, o que sobrecarregou o atendimento no 4º Distrito Policial (Taquaral) na manhã deste domingo (2).

Pelo menos o atendimento à população não foi um problema da nova Seccional. Com um número suficiente de funcionários no plantão neste domingo, os reflexos da instalação da delegacia na cidade foram sentidos nos distritos policiais.

No 4º DP a situação foi pior. Demora no registro de flagrantes, falta de funcionários, falta de viatura foram algumas das queixas tanto de vítimas como de policiais neste final de semana. Com a descentralização da Central de Flagrantes que funcionava antes no 1º Distrito Policial e a criação da nova seccional, segundo policiais, faltou pessoal para compor as equipes plantonistas.

Tanto o 4º DP como o 1º DP trabalham com meia equipe, ou seja, um delegado, um escrivão para registro de flagrantes e dois para atendimento ao público. Já a nova seccional trabalha com dois delegados e dois escrivães para registro de flagrantes, além de dois no atendimento.

O sufoco maior foi no 4º DP por conta da transferência do sambódromo para os Amarais. Entre sábado (1) e domingo (2), o distrito recebeu cinco ocorrências de flagrantes, além das corriqueiras, como brigas e roubos de carro. Na noite anterior também houve demanda diferenciada em relação aos demais distritos em plantão. Como havia apenas um escrivão, tanto vítimas como policiais e guardas municipais de flagrantes tiveram que esperar por mais de seis horas para fazerem o boletim de ocorrência.

Das cinco ocorrências de flagrante da noite de sábado (1), três delas tiveram que ser feitas no plantão deste domingo. Mas como cada ocorrência levaria em média cinco horas para ser registrada, já que havia mais de uma pessoa envolvida, o delegado foi obrigado a encaminhar um dos flagrantes para o 1º DP. Além da longa espera, as vítimas tiveram que enfrentar a falta de banheiro, já que o banheiro do prédio estava trancado.

"É um desrespeito. Além de sofrermos com a falta de segurança, temos que pagar também pela falta de funcionário nas delegacias, sem contar que temos que ficar aqui um tempão sem poder usar o banheiro", reclamou uma vítima de furto, com flagrante, que passou a madrugada deste domingo no 4º DP e não tinha nenhuma previsão de que seria atendida ou não.

Dos dez delegados plantonistas designados tanto para a nova seccional como as duas centrais de flagrantes, seis já trabalhavam em Campinas. Quatro foram enviados por portaria. Também foram convocados escrivães de outras cidades da região. Alguns, inclusive não possuem prática no registro de flagrante, conforme informações dos próprios funcionários, que pediram para não serem identificados.

Na segunda Seccional, as equipes novas, cujos funcionários vieram de fora, também sofreram com a falta de orientação. Tanto delegados como escrivães ficaram perdidos nos primeiros plantões.

O movimento no prédio foi menor do que o esperado. Na primeira noite de funcionamento foram registradas dez ocorrências, sendo dois flagrantes. O mesmo volume se repetiu na noite do sábado, mas com dois flagrantes a mais.

Descaso com a limpeza

Apesar do conforto do prédio, com espaço adequado e até sala do Acessa São Paulo (digital), uma evidente falta de cuidados com a higiene foi flagrada no local. Com a chuva que atingiu a cidade na noite da sexta-feira (28) e madrugada de sábado, a recepção ganhou uma poça de água que permanecia no local até domingo pela manhã. Além da água, no local também havia manchas de sangue no chão.

O prédio foi adaptado para receber a estrutura da delegacia. Na quinta-feira (27), véspera da inauguração, a reportagem do Correio Popular constatou que operários corriam contra o tempo para deixar a unidade pronta. Aparelhos de ar-condicionado e fiação ainda estavam sendo instalados. As três celas da unidade ainda estavam sendo construídas no local.

Na véspera da inauguração também não havia material (papelaria) para a unidade e as delegacias especializadas tiveram que emprestar pastas e outros materiais para suprir a necessidade urgente da nova delegacia.

A segunda Seccional terá uma nova etapa de inauguração, mas ainda não há previsão para a entrega dessa fase e de quantos policiais serão enviados pelo Estado ao Município.

Estrutura

O número de funcionários alocados inicialmente na segunda Delegacia Seccional de Campinas representa 20% do ideal necessário para o funcionamento que a unidade se propõe, num total de 240 funcionários.

Além disso, a delegacia não faz nenhuma investigação criminal dos casos atendidos. Ou seja, tudo que for registrado vai seguir para os distritos policias ou delegacias especializadas pertencentes a primeira Seccional sem ter continuidade na nova unidade.

Na sexta-feira o governador Geraldo Alckmin e o secretário de Segurança Pública do Estado, Fernando Grella, garantiram que os quatro distritos policiais que estão subordinados à nova seccional continuarão abertos.

Além do 9º DP, da região do Ouro Verde, estão também o 6º DP, no Jardim Novo Campos Elíseos, 8º DP da Vila Padre Anchieta e o 11º DP, no Jardim Ipaussurama, também as unidades de Indaiatuba: 1º DP e Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).

Outro lado

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que, segundo o delegado Filipe Rodrigues de Carvalho, do plantão da 2ª Seccional, a poça d'água que se formou próximo à área de atendimento ao público foi removida neste domingo à tarde.

O acúmulo de água, segundo ele, ocorreu por conta de uma janela aberta, durante a chuva ocorrida em Campinas. Com relação ao efetivo, o diretor do Deinter 2, Licurgo Nunes Costa, negou a transferência de pessoal do 4º Distrito Policial para a segunda seccional.

De acordo ainda com a assessoria da secretaria, o delegado José Carneiro de Campos Rolim Neto, titular da 1ª Seccional, explicou que, em média, são feitos dois flagrantes por noite e que a madrugada referida foi atípica. 

Por meio da assessoria, o seccional afirmou também que vai reforçar a determinação da diretoria de avaliar as necessidades de cada distrito em relação às demandas. E acrescentou sua intenção de remanejar ocorrências de um distrito para outro, se assim for preciso. Neto garante que vai supervisionar a comunicação entre as delegacias para melhor atender ao público.

Escrito por:

Vilma Gasques