Publicado 02 de Março de 2014 - 14h09

Por Inaê Miranda

Daniel Santos, de 7 anos, passou pela cirurgia

Rodrigo Zanotto/AAN

Daniel Santos, de 7 anos, passou pela cirurgia

Poder ir para a escola sem se preocupar com ofensas ou comentários maldosos dos coleguinhas já é uma realidade para os pequenos Cauã de Oliveira, de 7 anos, e Daniel Santos, de 6 anos. Eles passaram recentemente pela cirurgia de otoplastia, ou de correção de orelha aberta. Cauã e Daniel fizeram a cirurgia por meio do Projeto Orelhinha. Criado em Campinas há três anos pelo cirurgião plástico Marcelo Assis, o projeto já atendeu 2 mil pessoas e está em fase de expansão. Já realizou cirurgias em pacientes da Grande São Paulo, do Rio de Janeiro e está sendo levado para outros estados.

O projeto social tem como objetivo combater o bullying nas escolas e no trabalho, por isso oferece a cirurgia de otoplastia com 70% de gratuidade para pessoas a partir de sete anos, de todas as classes sociais e faixas etárias, segundo explicou o cirurgião plástico. “A orelha de abano é a principal causa de bullying nas escolas e no trabalho. Mexe com a vaidade da pessoa e se torna um problema social. Há casos de pessoas que já tentaram tirar a vida por causa do problema, ou que colaram a orelha. Não só as crianças, como os adultos sofrem com isso.” Um dos pacientes recém-operados, segundo Assis, tinha 83 anos. “Ele passou a vida inteira querendo operar e até para fazer a cirurgia ele foi usando boina. Depois disso aposentou o acessório.”

 

Para impedir que o filho Daniel fosse alvo de bullying na escola, Denise Gonçalves dos Santos recorreu ao projeto. “A decisão veio pela necessidade e porque a gente sabe que o pessoal não perdoa.” Denise conta que o filho frequenta a escolinha infantil há alguns anos e que embora os amiguinhos não fizessem bullying já notavam e apontavam a característica diferente dele. Como o garoto está para mudar de instituição, a ocasião foi perfeita. “Hoje em dia as crianças já têm que enfrentar tantos problemas e para quê deixar mais um, sendo que este podia ser resolvido facilmente?”

 

A dona de casa Michele Dourado Boaventura de Oliveira, de 27 anos, também já começava a se preocupar com o sofrimento do filho Cauã na escola. “Ele contava em casa que as outras crianças comentavam sobre a orelha. Ficamos com medo dele sofrer bullying. Logo soubemos do projeto e resolvemos operar o quanto antes.

 

Fiquei admirada com a cirurgia. Não teve inchaço, ele quase não sentiu dor. Demos o remédio certinho e ele continua usando a faixa para dormir. Estão dando assistência pós-cirúrgica para a gente e já ligaram perguntando como ele estava”, conta.

 

Embora a otoplastia seja uma cirurgia simples, segundo explica o cirurgião, muitos pacientes têm dificuldade para realizar o procedimento, pelo valor — que pode chegar a R$ 6 mil —, pela demora e burocracia no Sistema Único de Saúde (SUS) e porque os convênios ainda consideram uma cirurgia estética, o que dificulta ou impede a cobertura. Pelo Projeto Orelhinha, a cirurgia tem um valor fixo de R$ 1.650 e pode ser dividido em 12 vezes. Esse valor inclui o hospital, a equipe médica, de enfermagem, o material usado na cirurgia e a faixa pós-operatória.

 

Toda a equipe do Projeto Orelhinha é composta por voluntários. Nas regiões para onde o projeto já foi levado — São Paulo e Rio de Janeiro — são 25 médicos e mais dez profissionais que trabalham na equipe de apoio.

 

Em três anos, cerca de 2 mil pessoas foram operadas pelo projeto Orelhinha e a meta do médico é dobrar este número em 2014. A idade mínima para operar é de 7 anos, mas a maior faixa etária que procura o serviço é entre 15 e 25 anos. “São as pessoas que mais sofrem”, diz o médico. Os resultados do projeto, segundo Assis, têm sido muito gratificantes. “As pessoas quando conseguem operar ficam muito gratas. Com a autoestima lá em cima. Conseguem um novo emprego e até o modo de andar muda porque passa a ter confiança. É uma mudança drástica e para a gente isso é muito importante.”

 

SERVIÇO

 

Os interessados em realizar a cirurgia pelo Projeto Orelhinha devem fazer contato pelo site www.projetoorelhinha.com.br ou ligar na central de relacionamento, no telefone 0800-7187804 para efetuar um cadastro e agendar a primeira consulta gratuita.

Escrito por:

Inaê Miranda