Publicado 23 de Fevereiro de 2014 - 5h30

O aconselhamento do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) para que a Câmara de Campinas estabeleça critérios na concessão de bolsas de estudos a seus funcionários e dependentes ainda não gerou efeito na Casa. O apontamento foi feito pelo órgão no parecer que reprovou as contas de 2009 do vereador Aurélio José Cláudio (PDT), na época presidente. O benefício continua em vigor e o Legislativo cumpre o que está estabelecido numa lei de 1976.