Publicado 23 de Fevereiro de 2014 - 5h30

O ucraniano Alexandr Dolgopolov entrou na disputa do Rio Open como coadjuvante, ofuscado pelos espanhóis Rafael Nadal e David Ferrer e pelo italiano Fabio Fognini. Mas, aos poucos, ganhou o respeito do público carioca em razão das boas apresentações e, ontem, confirmou o momento favorável ao garantir seu lugar na decisão do torneio de nível ATP 500, que acontece hoje.

Dolgopolov, atual 54 do mundo, avançou à final ao eliminar justamente um dos favoritos ao título, David Ferrer. Ainda cansado após a maratona contra o brasileiro Thomaz Bellucci, o espanhol não resistiu ao bom ritmo do ucraniano e acabou sendo derrotado por 2 sets a 0, por duplo 6/4, em 1h23.

Na decisão, Dolgopolov terá pela frente o vencedor do duelo entre o número 1 Rafael Nadal e o também espanhol Pablo Andujar, que aconteceu ontem à noite.

Para vencer Ferrer ontem, o tenista da Ucrânia apresentou boa estratégia em quadra, variando constantemente os golpes no fundo e surpreendendo o regular espanhol. No primeiro set, o ucraniano faturou a primeira quebra de saque no quinto game. Ferrer chegou a reagir rapidamente, empatando o duelo. Mas logo cedeu nova quebra e Dolgopolov fechou a primeira parcial.

Na sequência, o ucraniano foi ainda melhor no segundo set. Não teve o saque ameaçado e ainda pressionou seguidamente o serviço do espanhol. Ferrer até que resistiu, ao salvar dois match points, mas acabou cedendo a vitória ao adversário no décimo e último game da parcial.

Brasileira

Depois de três boas vitórias no Rio Open, Teliana Pereira acabou sendo eliminada pela favorita Klara Zakopalova na semifinal da chave feminina ontem. A número 1 do Brasil não resistiu a tenista da República Tcheca, número 35 do mundo, por 2 sets a 0, com parciais de 6/2 e 6/1. Até então, Teliana não havia perdido um set sequer. Com o revés, ela manteve o jejum de 26 anos sem uma brasileira em final deste nível. Apesar da eliminação, a tenista número 98 do mundo deve ganhar de 10 a 15 posições na WTA. (Das agências)

32

Cravou Dolgopolov na partida

de ontem, contra apenas 16 de David Ferrer