Publicado 22 de Fevereiro de 2014 - 5h30

Mesmo aos trancos e barrancos, a Ponte Preta vem conseguindo cumprir suas metas no Campeonato Paulista. Com 15 pontos ganhos, o time comandado pelo técnico Vadão ainda não encontrou seu melhor ritmo, mas já entrou no G2 e, hoje, às 16h, defende a vice-liderança do Grupo C no jogo com o Penapolense, no Estádio Tenente Carriço, em Penápolis. O adversário é o melhor time do Interior com 18 pontos e ocupa a primeira posição do Grupo B.Para este jogo, Vadão não poderá contar com o atacante Alemão, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Assim, ele decidiu reforçar o meio-campo com a entrada do experiente Bida, para ajudar Adrianinho na criação das jogadas. “Independentemente de quem vai jogar, o importante é que todos tenham a consciência que existe o momento certo para atacar e defender. É preciso manter o equilíbrio, algo que ainda não está acontecendo”, alerta Adrianinho.No ataque, Silvinho deve seguir atuando pelos lados do campo e o jovem Ademir passará a fazer a função de atacante de área. A defesa, considerada o ponto forte do time, segue formada com o goleiro Roberto, os laterais Ferrugem e Magal, além dos zagueiros Cesar e Diego Sacoman.De acordo com Vadão, a manutenção da equipe só pode ajudar. “Ainda não encontramos o equilíbrio ideal, mas os resultados estão surgindo. Hoje, estamos na quinta posição no geral, dentro da zona de classificação para a próxima fase e dependendo apenas de nossas forças para conseguir a vaga. O time tem condições de melhorar”, avalia.Com a vitória sobre o Linense, quarta-feira, por 1 a 0, a Macaca eliminou qualquer possibilidade de rebaixamento. Mas isso já não era preocupação da comissão técnica que quer voos mais altos. “Nossa intenção é buscar posições melhores. Primeiro, queremos ajustar o time. Depois, mirar uma vaga nas quartas de final. Se passarmos de fase, esperamos chegar a um nível técnico melhor do que hoje para enfrentar, provavelmente, o Santos e jogar de igual para igual”, considera Vadão.No Penapolense, o fim do risco de descenso foi comemorado. Agora, o clube pensa na vaga na segunda fase para conseguir a participação na Série D do Campeonato Brasileiro. “Vamos enfrentar um time que vem muito bem na competição. No ano passado, passamos sufoco lá e desta vez não vai ser diferente”, alerta o zagueiro Diego Sacoman. “Queremos jogar bem, mas se não vier um bom futebol é preciso que venham os três pontos”, ressalta o lateral-esquerdo Magal.

Sacoman tenta superar críticas com bom futebol

Diego Sacoman já vestiu a camisa da Ponte Preta em mais de 100 partidas oficiais. Desde 2011 no clube, é o segundo do atual elenco em número de jogos — só perde para Adrianinho. Esteve em campo na campanha do acesso para o Brasileirão 2011, foi um dos pilares da zaga no vice da Sul-Americana 2013, mas também esteve nos momentos ruins, como o rebaixamento para a Série B.

Sabendo que a vida é recheada de altos e baixos, o defensor diz que consegue assimilar as críticas. “Todo mundo acerta e também erra. Mesmo quando estou numa fase boa, evito acompanhar os noticiários para não me deixar influenciar. Tem jornalista sério que analisa com honestidade. Mas tem gente que leva pelo lado pessoal e fala mal só por falar. Isso acaba refletindo no torcedor”, avalia Sacoman.

O jogador, que foi o melhor na vitória sobre o Linense, salvando dois gols certos do adversário, acabou vaiado por parte da torcida. Isso o deixou abalado. “Procuro deixar de lado, mas é claro que acaba chateando. Acho que isso é rescaldo dos dois gols contra que fiz no ano passado. Infelizmente, ficou marcado”, lamenta.

Os companheiros de time enchem o zagueiro de elogios. “É gente boa e sempre me dá conselhos por ser mais experiente. Tinha falado que este ano seria diferente para ele e está em grande fase”, descreve Cesar. “O Sacoman, além de um grande cara, é excelente jogador”, emenda Adrianinho. “Não fosse ele, a gente teria perdido o jogo de quarta-feira. Faz tempo que o Sacoman vem jogando bem”, completou Roberto. (PS/AAN)

PENAPOLENSE

Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Biro; Liel, Neto, Washington e Guaru; Alex Créu e Douglas Tanque. Técnico: Narciso.