Publicado 21 de Fevereiro de 2014 - 19h59

Policiais que deram apoio a uma operação de combate a fraudes na região de Sorocaba prenderam nesta quinta-feira (20), por ordem do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o delegado da Ciretran, o filho dele e um vereador de Piedade, na região de Sorocaba, sob acusação de cobrança ilegal.

O delegado titular da Ciretran, José Chaves de Melo, o filho dele, Douglas Chaves de Melo, e o vereador Marcos Pinto de Camargo (PSDB), o Marquinhos da Ciretran, são suspeitos de cobrar propinas de três empresas de vistorias para autorizar que elas pudessem operar nas cidades Piedade e Tapiraí e por vistoria realizada.

De acordo com as investigações do Gaeco, o esquema funcionava desde 2010. O dinheiro pago pelos empresários era recolhido semanalmente pelo vereador.

Depois repassado ao delegado. O filho de Chaves de Melo obrigava ainda os donos de veículos a fazer uma segunda vistoria e ficava com o dinheiro pago por elas.

Os integrantes da operação fizeram buscas e apreensões na Ciretran de Piedade e nas casas dos investigados. Eles devem ficar presos por cinco dias e vão responder pelo crime de concussão, que é a extorsão praticada por funcionário público no exercício da função.

Ainda não foi levantado qual o valor do dinheiro pago em propinas.