Publicado 12 de Fevereiro de 2014 - 16h55

Por Da redação

Foco de incêndio em terreno do Parque Padro, em Campinas: tempo seco e quente

Eliane Santos/AAN

Foco de incêndio em terreno do Parque Padro, em Campinas: tempo seco e quente

O número de atendimentos a denúncias de queimadas de mato em Sumaré subiu 450% em 2014, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo informação da Defesa Civil. Estes ano, os fiscais realizaram 14 ocorrências enquanto que em 2013 foram três denúncias desse tipo.

Colocar fogo em mato é crime ambiental previsto nas leis do Código Brasileiro, do Código Florestal e na lei municipal que prevê multa que varia entre R$ 500 e $ 3 mil.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, Moisés Paschoalin, a grande dificuldade da equipe de fiscalização é identificar os autores da infração, ou seja, a pessoa que causou o foco de incêndio.

“A penalidade só poderá ser aplicada se houver flagrante da ocorrência. Para isto, a

população pode colaborar com o nosso trabalho e, principalmente, com a preservação do meio ambiente local. Denúncias podem ser feitas de forma anônima (sem identificação) para o telefone da secretaria – (19) 3828-4775. O ideal é que a pessoa consiga registrar em imagens – vídeo ou foto – o flagrante”, orientou Paschoalin.

Paschoalin afirmou que o atendimento sempre ocorre quando há prejuízo à vegetação, independente da proporção do fogo. Os focos de incêndio são controlados pelo Corpo de Bombeiros, que atende às emergências pelo telefone 193.

Estiagem

O aumento de ocorrências e fiscalizações de queimadas em mato é reflexo da estiagem prolongada que atinge a Região de Campinas (e todo o País de forma generalizada). Em Sumaré, o índice da Umidade Relativa do Ar (URA) tem se mantido em torno de 25%, considerado estado de atenção, de acordo com a Defesa Civil Municipal.

Falta de chuva por longos períodos e baixa URA criam as condições favoráveis para a ocorrência de queimadas. Prova disto é que o Corpo de Bombeiros Municipal teve que montar uma força tarefa dedicada ao combate a focos de incêndios atípicos, envolvendo um caminhão pipa, um veículo de apoio e três bombeiros que suprem, diariamente, a demanda. A Corporação realiza, aproximadamente, de 10 a 12 atendimentos de fogo em mato por dia.

 

Veja também

Escrito por:

Da redação