Publicado 05 de Fevereiro de 2014 - 11h39

Incêndio em mata

Antonio Trivelin/Gazeta de Piracicaba

Incêndio em mata

Um incêndio devastou uma grande área na região do bairro Ondinhas, na tarde desta terça-feira (4). O tempo seco, o forte calor e o vento favoreceram a propagação das chamas, que consumiram a vegetação rasteira e destruíram um trecho remanescente de Mata Atlântica, consumindo árvores com mais de 30 metros de altura e palmeiras juçara, espécie em extinção. O Corpo de Bombeiros foi acionado e esteve no local para conter o incêndio, com apoio de um caminhão do grupo Raízen e de três tratores de agricultores vizinhos.

O incêndio tomou uma área de cerca de dois alqueires, com colunas de fumaça com mais de 300 metros de altura, que puderem ser vistas pela reportagem da Gazeta, que estava na Vila Rezende. Segundo o cabo Vianna e o soldado Portela, do Corpo de Bombeiros, que atenderam a ocorrência, foram usados 5.000 litros de água da viatura e mais 15.000 litros do caminhão da Raízen. Por volta das 18h30, a viatura dos Bombeiros saiu do local do incêndio para abastecer e ainda iria voltar à ocorrência.

Cerca de dois alqueires de mata foram devastados pelas chamas: o verde foi substituído pela cor cinza

Quando a reportagem chegou ao local, por volta das 16h, as chamas consumiam as grandes árvores do remanescente de mata, assim como algumas palmeiras. Ao percorrer um carreador de cana, foi possível ver onde o fogo começou: um monte de entulhos. De acordo com o cabo Vianna, os Bombeiros foram acionados por volta das 14h. Quando tentavam conter as chamas, uma corrente de vento fez com que perdessem o controle das chamas, que avançaram morro acima. "O calor, o ar seco e o vento forte fazem com que as chamas se propaguem rapidamente", explicou Vianna.

Sandra Grandis, proprietária de uma plantação de cana-de-açúcar perto do local, pediu ajuda aos bombeiros, já que temia que sua plantação - que só estará pronta para a colheita em junho - fosse queimada. Segundo ela, é comum esse tipo de ocorrência na região. "Não temos sossego", protestou ela, dizendo que muitos jogam entulhos em carreadores de cana, que depois são queimados de maneira criminosa.

A fumaça dificultava o trabalho dos bombeiros que usaram mais de 20 mil litros de água para apagar o fogo

No Lugar De Enchente...

O tenente Catelani, do Corpo de Bombeiros, lembrou que neste período a corporação se prepara para atender ocorrências de enchente e não de focos de incêndio. "É uma situação de anormalidade", reforça ele. Nesta terça-ferira (3), foram registradas quatro ocorrências de fogo em mata. De acordo com Catelani, algumas regras básicas podem evitar esses acidentes, como não fazer fogueiras, nem para queimar as folhas secas que se juntam após a limpeza de um quintal, por exemplo, e não jogar bitucas de cigarro em matas e estradas.