Publicado 23 de Fevereiro de 2014 - 1h26

O lago de Engelberg com 0 Monte Titlis ao fundo

Divulgação

O lago de Engelberg com 0 Monte Titlis ao fundo

A melhor forma para se locomover entre um destino e outro na Suíça é o trem. Se você chegou até Zurique, não deixe de dar uma esticadinha até Lucerna. São 40 minutos de viagem e, como recompensa, o turista contempla as belas paisagens dos Alpes nevados.

Com apenas 75 mil habitantes, a cidade de Lucerna une passado e presente em completa harmonia. Ao lado da estação, de onde saem trens, bondes e ônibus e há mercados e lojas, está a construção mais icônica da cidade.

A Ponte da Capela, sobre o Rio Reuss, é uma das mais antigas do estilo na Europa - é toda coberta -, foi construída primeiramente no século XIV e ganhou, três séculos depois, 112 pinturas que retratam a história do povoado. Junto está a Torre da Água, com 34 metros de altura, que fez parte da antiga muralha e já foi utilizada como prisão e câmara de tortura.

Um dos passeios mais charmosos por Lucerna ocorre à noite, no lago. A bordo de um antigo navio, todo reformado, aprecie a vista e saboreie o Fondue Chinoise, um preparo de carnes frias que são aquecidas em um caldo de legumes. Uma delícia nos dias mais frios. O passeio custa 35 euros por pessoa, sem as bebidas e serviço incluído.

Pelo dia, a dica é visitar o Museu de Transportes Suíço, o mais popular do país. Dinâmico, moderno e interativo, o espaço encanta pequenos e adultos. Acompanhe a evolução dos sistemas de transporte do país, com destaque para sua competente malha ferroviária, e acessos às montanhas. O local dispõe até de um pequeno estúdio de TV no qual o visitante pode criar seu boletim do passeio. Tire uma tarde inteira para passear entre carros, aviões e composições.

Para quem busca diversão, a pedida é pegar o trem até Engelberg, de apenas 4 mil habitantes, onde fica a base do Monte Titlis, o maior da Suíça, com 3.239 metros e neve o ano todo. A subida, com a ajuda de três teleféricos é deslumbrante e segura. No último estágio até o cume, de quase mil metros, os visitantes utilizam o Titlis Rotair, o primeiro teleférico do mundo com rotação 360º, que faz o percurso em apenas 5 minutos. Mantenha a câmera fotográfica ligada e registre cada segundo dessa aventura.

E engana-se quem pensa que a pedida é apenas para os malucos ou fãs de esportes de neve. Não sabe esquiar ou não tem coragem de encarar o snowboard, sem problemas. Visite a Gruta de Gelo, uma passagem de 150m pelo coração da montanha e 20m abaixo da geleira. Quer apreciar a paisagem? Não deixe de cruzar o Cliff Walk, uma ponte suspensa sobre o glacial do Titlis a 3.041m de altura e com um vão debaixo de seus pés de 500 metros. São 150 passos de pura emoção e uma vista inesquecível do topo do mundo.

E para os amantes do frio, que tal um saboroso sorvete a cinco graus negativos? Não deixe de provar o de capuccino e, claro, o de chocolate. Para os mais friorentos, o restaurante oferece comida boa e ótima para esquentar a alma. Peça a massa com queijo e batatas, que acompanha purê de maça. É o prato típico de quem mora na região e precisa de energia para encarar as temperaturas negativas.

Engelberg 

Descendo a montanha, aproveite, se tiver um tempinho até a saída do trem, para conhecer o monastério da cidade, a 500 metros da estação. No local, funciona uma loja e fábrica de queijos, onde o visitante pode acompanhar todo o processo de produção e comprar alguns exemplares para degustar durante a viagem - produtos de origem animal, como o queijo, não podem ser transportados na bagagem na volta ao Brasil, ok?