Publicado 01 de Março de 2014 - 5h00

O vereador de Campinas Luis Lauro Filho (PSB) foi aclamado por unanimidade, na reunião do diretório, na última quinta-feira (27), como pré-candidato da legenda a deputado federal. Até aí nenhuma novidade. Desde que foi eleito vereador, Lauro Filho colou no prefeito Jonas Donizette (PSB), que é seu tio, e tem feito de tudo para aparecer na maior quantidade de eventos possível. A proximidade do parlamentar com o chefe do Executivo já causou insatisfação na Câmara.

 

Nomes

 

A novidade neste caso é que o PSB trabalha com três nomes para a disputa estadual e, nenhum deles, está entre os integrantes do primeiro escalão do governo Jonas ou cumpre mandato no Legislativo. Até então, Jonas disse que o partido teria só um nome para cada disputa. Um dos cotados é o ex-presidente do PSB, Hugo Gallo. O presidente do partido, Wanderley Almeida, disse que não tem nada definido e que a única certeza é Luiz Lauro Filho.

 

No PT

 

Se no PSB os nomes já começam a ser “aclamados”, outros partidos ainda discutem detalhadamente quem vai para a disputa em outubro. O presidente do PT, Casemiro Reis, disse que, por enquanto, o deputado federal Renato Simões e o deputado estadual Gerson Bittencourt devem concorrer a uma cadeira na Assembleia Legislativa. No âmbito federal, Sebastião Arcanjo e o vereador Carlinhos Camelô estão entre os cotados para a disputa.

Desistiram?

 

Casemiro disse também que o PT não desistiu da candidatura do economista Marcio Pochmann, que atualmente preside a Fundação Perseu Abramo. Segundo o presidente da legenda, a viabilidade da candidatura do economista é debatida internamente.

Com protestos

 

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi recebido nesta sexta-feira (28) com protesto em Campinas. Um grupo de sindicalistas e de integrantes de associações ligadas aos policiais esteve na inauguração da segunda delegacia Seccional para cobrar a valorização da polícia. Alguns chegaram a gritar que Alckmin “era fascista”, o que causou um certo desconforto.

Avaliação

 

Alguns tucanos que participaram ontem da inauguração criticaram a presença da presidente da Associação dos Familiares e Amigos dos Policiais, Adriana Borgo. Isso porque eles alegam que Adriana pretende ser candidata a deputada estadual este ano e que ela estaria se promovendo ao planejar protestos.

Não estou sabendo

 

Adriana afirmou que tem gente sabendo mais do que ela e que nenhum partido fez convenção ainda para definir seus candidatos. Ela é filiada ao PDT e foi candidata a vereadora na última eleição municipal.

Sem procura

 

O governo estadual informou nesta sexta que está aberto a ouvir a reivindicação dos que protestaram no evento ontem em Campinas, mas que ninguém solicitou audiência.

 

Sem julgamento

 

No PSDB em Campinas a situação do diretório ainda está indefinida. Desde o ano passado, o processo que pede impugnação da eleição, que reconduziu a deputada estadual Célia Leão (PSBD) para o posto de presidente, permanece na gaveta da executiva estadual. O grupo ligado ao vereador Artur Orsi (PSDB) questionou a legalidade do pleito e afirma que não houve respeito aos prazos para a inscrição das chapas. Célia e seus aliados encaminharam a defesa. Sem julgamento, as decisões do diretório local ficam sujeitas a questionamentos.

 

 

COLABOROU BRUNA MOZER/AAN