Publicado 21 de Fevereiro de 2014 - 8h42

Nos últimos textos, vimos alguns dos processos de formação das palavras da nossa língua, o valor de certos prefixos e o significado de alguns elementos gregos e latinos. Uma leitora perguntou sobre uma algumas palavras que estão na moda, como “talassoterapia” e “spa”. Um leitor perguntou se há explicação para determinada lama medicinal (anunciada na televisão) se chamar “fango”. Parece que as pessoas têm muito interesse pelas palavras e pela história delas.

 

Vamos começar pela palavra “fango” (que é italiana _lê-se “fángo”, com o “a” aberto). Essa palavra significa simplesmente “lama”. Hilariante, não? As pessoas compram lama com o nome de lama, ou melhor, de “fango”, que nada mais é do que lama, em italiano. Está bem, é uma lama terapêutica, mas é lama. Bem, para suavizar um pouco a história, convém dizer que esse “fango”, ou seja, essa lama certamente não se parece nem um pouco com a lama em que se metem muitos dos nossos homens públicos.

 

Vejamos agora outro dos termos sugeridos pelos leitores, a palavra “talassoterapia”, que resulta da soma de “talasso”, que vem do grego e significa “mar”, com “terapia”, que também vem do grego e dispensa explicações quanto ao significado. A talassoterapia é a cura obtida com banhos de mar e com o clima das regiões litorâneas. Hoje em dia, já se usa “talassoterapia” para nomear curas obtidas com água doce. Nesse caso, talvez fosse mais adequado o emprego de “hidroterapia”, da qual faz parte o elemento grego “hidro” (“água”).

 

O caro leitor saberia dizer qual é o significado de “talassofobia”? Acho que saberia, não? Vamos lá: “fobia”, que vem do grego, significa “medo”, “pavor”, portanto “talassofobia” significa “medo do mar”. Do mar, especificamente, e não da água. O medo da água é “hidrofobia”, e o medos dos rios “potamofobia”, palavra da qual faz parte o elemento grego “potamo” (“rio”). “Potamo” fez você pensar em “hipopótamo”? Pode continuar pensando, porque o “hipo” de “hipopótamo” é o mesmo de “hipódromo”, nome do lugar em que os cavalos correm, disputam. O elemento “hipo” (grego) se refere a cavalo. Ao pé da letra, “hipopótamo” é “cavalo de rio”.

 

É sempre conveniente lembrar que pode haver correspondência entre elementos gregos e latinos presentes em muitas das palavras da nossa língua. De uma das raízes latinas de “fogo”, por exemplo, temos “ignição”, “ígneo”, “ignívoro” etc. Da raiz grega de “fogo”, temos “pirosfera”, “pirômano”, “pirotecnia” etc.

 

Não custa relembrar: o que mais importa em toda essa história é lembrar que muitas das palavras que à primeira vista nos parecem incompreensíveis podem muito bem ser “desmontadas”. Em vez de dizer “não sei”, é muito melhor pensar, desmontar, relacionar e, por fim, decifrar.

 

E como fica o caso de “spa”? Será uma sigla? Não é, não, caro leitor. Trata-se apenas do nome de uma cidade belga, famosa pelas propriedades de suas águas. Nossos spas não são propriamente centros hídricos de descanso, mas não é difícil entender por que eles têm esse nome.