Publicado 22 de Fevereiro de 2014 - 19h51

Por Carlo Carcani

O jornalista Carlo Carcani Filho

Ércia Dezonne/AAN

O jornalista Carlo Carcani Filho

O Manchester United renovou o contrato de Wayne Rooney na sexta-feira e agora ele é o atleta mais bem pago do milionário futebol inglês. Até o início da rodada deste final de semana, Rooney dividia com outros dois jogadores o 10º lugar na artilharia da Premier League com 9 gols. Em assistências, era o melhor, ao lado de Gerrard, do rival Liverpool. Ambos já fizeram 9 passes que resultaram em gols de seus companheiros.

Rooney tem a expressiva marca de 12 títulos pelo United (entre eles uma Champions, um Mundial de Clubes e cinco da Premier League). É ídolo da torcida. É uma máquina de vender camisas.

Trata-se, de modo indiscutível, de um jogador que ocupará para sempre um lugar de destaque na história dos Diabos Vermelhos. Mas será que Rooney vale o salário que o United se dispôs a pagar? Será que Rooney vale a quantia absurda de R$ 1,2 milhão por semana? É claro que não. Nem se já tivesse feito 27 gols e 27 assistências, Rooney mereceria receber R$ 171 mil a cada amanhecer.

Não se trata de desmerecê-lo ou achar que o bilionário United não terá condições de honrar o compromisso. Dinheiro para pagar Rooney, o Manchester tem. O problema é que ele é apenas uma peça de um elenco muito caro. Quando Van Persie for discutir sua renovação, a referência será o salário de Rooney. O Manchester vive um ano ruim, vai perder alguns atletas e por isso terá que fazer grandes contratações para a próxima temporada. Todo craque que chegar ao Old Trafford vai negociar seus salários tendo como referência os números dessa renovação milionária.

E ao oferecer 300 mil libras por semana a um jogador, o Manchester não inflaciona apenas a própria folha. Um contrato desse tipo joga para o alto os salários de toda Premier League e também das outras grandes ligas do continente. A Premier League é um sucesso sob todos os aspectos. Grandes times, grandes jogos, todos os estádios sempre lotados, grandes estrelas...

Mas para que esse sucesso seja duradouro, é necessário planejar o futuro. Há alguns anos, o Campeonato Italiano era o melhor do mundo. Hoje enfrenta graves problemas. A média de público despencou, o astros migraram para outras ligas e na Champions League, os times italianos têm se contentado com o papel de figurantes.

Mesmo no Espanhol a situação não é das melhores. Barça e Real seguem como gigantes, mas nos outros clubes já surgem problemas graves como salários atrasados. Dentro desse cenário, não apenas o Manchester, mas a própria Premier League, a Uefa e Fifa deveriam se preocupar com o fato de um atleta ganhar R$ 171 mil por dia. Não se trata, repito, de desmerecer o papel de Rooney em seu clube. Trata-se de garantir o crescimento contínuo do negócio futebol.

Escrito por:

Carlo Carcani