Publicado 28 de Fevereiro de 2014 - 21h14

Escada rolante está parada e dificulta o acesso dos passageiros

Janaína Ribeiro/Especial a AAN

Escada rolante está parada e dificulta o acesso dos passageiros

A escada rolante que serve de ligação entre o Terminal Metropolitano e a rodoviária de Campinas está desativada desde novembro, dificultando o fluxo de pessoas que chegam de outras cidades e precisam subir as escadas comuns com as malas na mãos para chegar até a plataforma de embarque. Para piorar, a escada fica do lado oposto do Terminal Metropolitano. A situação é alvo de muita reclamação entre os usuários.

 

“É uma pouca vergonha essa situação. Pessoas idosas, deficientes e com crianças estão confinadas em uma escada furreca há meses. O elevador também está enguiçado”, afirmou um usuário, que pediu para não se identificar. A atendente de telemarketing Kelly Tavares, de 26 anos, ressalta que, além da escada rolante não estar em funcionamento, não há sinais de homens trabalhando para resolver a situação. “Não uso o terminal diariamente, mas faz tempo que está assim.”

 

Desativados

Segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), responsável pelo Terminal Metropolitano, a escada rolante e o elevador estão funcionando normalmente. No entanto, estão desativados por causa da interdição da passarela que liga o terminal metropolitano ao rodoviário, para obras.

 

A passarela é de responsabilidade da Socicam, empresa que administra a rodoviária, e está fechada para reforma. A Socicam, por sua vez, explica que as obras começaram há menos de 20 dias, mas lembra que escada está parada desde novembro. A estimativa para o término da obra na passarela é 1º de abril, porém a passagem será liberada aos passageiros dia 12 de março. “A intervenção está sendo realizada para que possamos garantir a qualidade no atendimento dos passageiros", justificou a Socicam, através de nota.

 

Como alternativa, o acesso entre os dois empreendimentos deve ser feito por outra passarela, localizada junto à entrada dos ônibus. A Socicam informou ainda que mantém funcionários próximo ao local da interdição, durante as 24 horas, orientando sobre as alternativas de acesso e auxiliando os passageiros na travessia.