Publicado 21 de Fevereiro de 2014 - 21h32

Complexo Parque das Águas no Parque Jambeiro: mudança em janeiro

Rodrigo Zanotto/AAN

Complexo Parque das Águas no Parque Jambeiro: mudança em janeiro

Falta apenas a liberação de um condomínio para que a Prefeitura de Campinas zere os embargos de empreendimentos habitacionais que se arrastavam desde 2011 por irregularidades na aprovação. Algumas famílias já se mudaram para os imóveis em 2013, mas outras terão de esperar para ocupar as unidades. Parte dos condomínios está em construção e outros dependem da finalização de documentos. Ao todo, são cerca de 6 mil famílias que foram prejudicadas com as interdições de 16 condomínios.

 

O Spazio Castellon, localizado no Jardim Samambaia, é o último imóvel com o qual o Executivo ainda discute um acordo. A previsão é que isso ocorra dentro de 30 dias. O local possui cerca de 320 unidades que ainda dependem de um acordo entre a empresa e a Administração para que sejam liberadas.

 

Crise política

 

Os empreendimentos começaram a ser embargados em 2011, durante a crise política em Campinas, que terminou na cassação do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT). Eles foram travados pelo Ministério Público porque haviam sido aprovados sem que a Administração exigisse das empresas qualquer tipo de investimento em infraestrutura nos bairros, como no sistema viário, por exemplo, devido ao aumento no fluxo de trânsito no local com maior número de moradores.

 

Obras no sistema de drenagem para evitar riscos de enchente ou construção com irregularidades ambientais também foram identificadas. Os empreendimentos foram aprovados durante a gestão do ex-secretário de Urbanismo Hélio Jarreta, que pediu demissão.

 

Revisão

 

Desde então, todos os projetos foram revistos e acordos foram firmados para que esses bairros recebessem contrapartida por parte das empresas. A maior parte dessas intervenções, acordadas agora, ainda será iniciada. O secretário de Gestão e Controle, Walter Petito, que assumiu a chefia da pasta nesta semana, garantiu que a Prefeitura irá acompanhar o cumprimento desses acordos.

 

Na quinta-feira (20), o Executivo finalizou um tratado com a empresa PDG para liberação de parte do empreendimento Ambiance, no Jardim Miriam. A expectativa é que expedição do Habite-se ocorra “em breve”, segundo o secretário. Apenas um bloco estava embargado desde 2011 e cerca de 200 moradores esperam há pelo menos quatro anos a entrega do imóvel. Na semana passada, o Correio revelou o drama vivido por famílias.

 

Parque Jambeiro

 

Na região do Parque Jambeiro, onde haviam dois grandes empreendimentos embargados, os imóveis foram liberados e as famílias já iniciaram a ocupação. Moradores também reclamam da falta de infraestrutura no bairro.

 

A síndica de um dos oito condomínios do Complexo Parque das Águas, da empresa MRV, Fernanda Porfírio Gilioli, de 33 anos, afirma que as ruas ainda têm pouca iluminação e não há circulação de ônibus suficientes para atender a demanda local. “Temos que andar pelo menos 20 minutos para chegar até o ponto de ônibus.” Ela diz que há problemas no condomínio, mas que os moradores têm sido atendidos pela empresa. Fernanda deveria ter retirado as chaves de seu imóvel no início de 2011—- considerando os eventuais atrasos, mas só conseguiu se mudar no mês passado. O empreendimento é dividido em oito condomínios num total de 1,9 mil apartamentos.

 

A Secretaria de Transportes informou, por meio da assessoria de imprensa, que acompanha a situação dos empreendimentos e que há linhas de ônibus disponíveis. No entanto, para que os condomínios sejam atendidos diretamente pela linha 4.99 ainda são necessários alguns ajustes na infraestrutura viária que, segundo a secretaria, “estão a cargo do empreendedor”. Cabe à construtora implantar dez abrigos de pontos de ônibus na região.

Outro lado

 

A MRV Engenharia informou que “não possui obras embargadas e que todos as chaves estão em andamento” para serem entregues aos proprietários. A PDG informou que a “construtora que trabalha com a máxima prioridade junto aos órgãos públicos competentes para finalizar o Termo de Ajustamento de Conduta” assinado com a Prefeitura.