Publicado 03 de Março de 2014 - 10h05

José Salomão Fernandes

AAN

José Salomão Fernandes

Sobre a matéria 'Em Campinas, Lago do Café continua às moscas', publicada no Correio Popular em 24/1, posso' afirmar, com certeza, que a baixa frequência naquele parque nada tem a ver com capivaras, nem carrapatos. Devido a localizar-se em frente ao Parque Portugal, a população prefere este pelas suas várias ofertas de lazer (bondinhos, pedalinhos, aparelhos de ginástica, campos de esportes, ginásio, planetário, pistas de caminhada, Concha Acústica etc.). O Lago do Café nem de banheiro dispõe. Esse logradouro, cujo número de visitantes sempre foi pequeno, deveria ser destinado exclusivamente como centro de acolhimento e recuperação de animais silvestres e refúgio da vida selvagem, mas, infelizmente, as autoridades só pensam nos humanos.