Publicado 03 de Março de 2014 - 10h06

Água

Vlademir Ferreira

Auditor, Campinas

 

(…) Recebi minha conta de água e qual foi minha surpresa... agora inventaram a taxa de tratamento de esgoto. Com isso, além do aumento de 6,63%, temos essa nova tarifa para pagar, num total de 11,5%. (…) Nestes últimos anos, a tarifa de água de Campinas sofreu aumentos abusivos. No governo Hélio de Oliveira Santos a aplicação de um índice de 50% chegou ao Ministério Público. E os nossos vereadores, o que fazem para ajudar o povo, ou achar soluções para os problemas? Nada. (...)

 

Ucrânia

Marcelo Cioti

Autodidata, Atibaia

 

Agora aparecem os “teóricos da conspiração” dizendo que o Congresso da Ucrânia destituiu o presidente porque deixou de ser útil aos parlamentares. É que, diferentemente daqui, lá, quem manda a polícia reprimir e matar manifestantes não é perdoado pela população. Aqui, ele pode ser reeleito nas próximas eleições.

 

Jabor

José Henrique Antunes

Produtor visual, Campinas

A coluna 25/1 do Jabor está sensacional. Sugiro que todos leiam e releiam e divulguem aos amigos. Jabor me pegou na ferida no tocante à sensação do que podemos fazer hoje. Qual a estratégia? Nos meus atuais 50 anos de vida, me sinto um garoto sem experiência, despreparado... perdido diria. Tive tanta esperança nessa democracia, cravei meus votos na “galera” da vanguarda democrática. Votei mesmo, sem pudor, na “companheirada” do PT. Tivemos um lampejo de que “agora vai” no início do governo Lula. E aí, (...) senhores? (…) Que raio de anestesia forte e eficiente nos aplicaram? Volto ao Jabor: “Achávamos que poderíamos tudo; só não tínhamos liberdade. Hoje temos liberdade mas não podemos fazer quase nada.”

Mensalão 1

Geraldo Poletto

Aposentado, Campinas

“O Brasil melhorou após a denúncia. A imprensa fiscaliza mais e os políticos melhoraram seu comportamento”. Palavras do ex-deputado Roberto Jefferson ao ser preso com réu do mensalão (Correio Popular 25/2). Eu diria que sim, e acrescentaria que foi uma decisão de nossa Suprema Corte (STF) e graças a atuação bastante objetiva e corajosa do seu presidente-relator no processo. O Brasil deu um passo à frente, pequeno, tímido, mas decisivo e bastante animador no sentido de tornar o Brasil realmente um País sério e principalmente justo (...). Realmente ainda é pouco, mas afinal, já é um começo.

Mensalão 2

Márcio Batista de Sousa

Advogado, Campinas

“Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes.” Esse artigo foi extirpado do Códido pelo STF no julgamento do mensalão. E por uma simples razão: juizes nomeados por quem faz parte da quadrilha ou bando. Se os juizes são indicados pelo presidente, a presidente, no caso, que é do partido que roubou, surrupiou, e outras coisas mais, qual outra interpretação seria dada a referido artigo senão a inexistência do bando?

Joaquim Barbosa está certo, é só o começo dessa maioria de circunstância. Estamos nas mãos de uma quadrilha perigosa, corrupta e a cada dia aliciando mais e mais pessoas, seja no Judiciário, Legislativo e Executivo. (...)

Dívidas

Wedson Prado

Aposentado, Valinhos

Qualquer trabalhador honesto que tenha algum percalço em sua vida e deixe de pagar uma dívida, independentemente do valor da mesma, terá seu nome inserido no cadastro de inadimplente em um dos órgãos de proteção ao crédito, hoje a Serasa ou o SPC. Com isso, o pobre trabalhador terá o seu nome “negativado” e em consequência enfrentará uma série de dificuldades pela frente (…), na abertura de contas em bancos, realização de empréstimos, compras a crédito etc. Até que o pobre coitado possa saldar sua dívida, que é sua obrigação, o mesmo passará por maus bocados, pois, certamente, não contará com o apoio dos seguidores dos condenados do mensalão, que em poucos dias puderam arrecadar o valor das multas impostas pela STF e quitá-las sem ter seus nomes negativados.

Sambódromo

Sérgio Fernando Goy

Técnico de projetos, Campinas

O preço que Campinas paga por não possuir um Sambódromo! E continua o amadorismo em Campinas! Lamentável, mais uma vez, a Prefeitura continuar adiando a construção do Sambódromo, não tendo nunca um local fixo e definitivo, como nas outras grandes cidades e capitais. Este ano, o gasto para montar a estrutura toda do Carnaval na Estrada dos Amarais é de R$ 2 milhões. Monta-se toda a estrutura metálica de ferro e banheiros públicos, para logo após desmontar tudo de novo. E, no ano que vem, a história se repete. Um absurdo. Sr. prefeito Jonas Donizette (PSB) e secretário da Cultura, Ney Carrasco: por que essa situação de tantos anos continua à se repetir nesta metrópole?

 

Bernardo Caro

Roberto Ortiz dos Santos

Empresário, Campinas

 

Vendo a reportagem com esse monstro fantástico, Bernardo Caro (Correio 26/2) acabei relembrando quando tive aulas com ele na escola Prof. Vilagellin Neto de Artes Plásticas. Era hilário em dias de provas, ele sentado lá na cadeira e nós alunos fazendo a prova. E claro, como éramos adolescentes, fazíamos as traquinagens inerentes à idade. Então puxávamos o caderno e começávamos a "colar". (…) Eis que de repente escutávamos passos (naquele assoalho antigo), todos que estavam colando erguiam a cabeça rápido para não ser pego pelo prof. Bernardo. Quando olhávamos, ele sentadinho lá na cadeira, apenas batendo os pés no chão. Ele só olhava e não falava nada. Perdíamos a vontade de colar na hora. Quem estudou e teve o privilégio de ter aulas com ele deve se lembrar. Descanse em paz... saudades.

 

Vara da Infância

Ednamerico Minhoto

Fotógrafo, Campinas

Vendo uma postagem numa rede social, de uma pessoa que estava indignada com um juiz, dizendo que não há o que fazer a respeito dos jovens infratores, mais uma geração perdida... Depois, que ficou quase proibido os pais dar umas belas “varadas” na criança e que o número de jovens sem limites para diversas aberrações cometidas pelo seres humanos aumentou. Graças a Deus que meus pais me deram umas “varadas” para saber respeitar o próximo e não ir parar na Vara da Infância e Juventude.