Publicado 19 de Fevereiro de 2014 - 6h41

Como é grande o meu amor por você

Como é grande o meu amor por você

Como é grande o meu amor por você

 Confira matéria publicada na última edição do jornal O Quinze, sobre uma carta de amor com mais de quatro metros:

 

Paulo Planta

Em um de seus maiores sucessos, Roberto Carlos canta: “Como é grande o meu amor por você”. Mas dá para saber o tamanho de um amor? Em Sousas é possível, pelo menos, medir o que ele é capaz de fazer. Uma carta de 17 páginas foi esquecida no Supermercado do Toninho, no Centro do distrito. São folhas de caderno com texto escrito a lápis e unidas com cola. O documento mede quatro metros e dez centímetros. Um trecho com letras garrafais chama a atenção: “Eu te amo”. Apenas parte da frase está pintada de vermelho, o que indica que a mensagem ainda estava em construção quando foi esquecida.

Os nomes escritos não serão revelados pela reportagem, que também não teve acesso a todo o conteúdo. O comerciante Antonio Labegalini, dono do supermercado, permitiu uma rápida conferida no conteúdo. “Eu mesmo não olhei. É uma coisa muito pessoal”, comentou. Mas ele se disse surpreso de encontrar uma carta de amor, “o que não é comum nos dias atuais”. O comerciante diz que o documento está lá, à espera do proprietário, se ele o quiser de volta, como acontece com tudo que é esquecido. A carta foi encontrada no dia em que um grande número de jovens esteve no comércio e Antonio acha que pode ser de um deles.

“Amor”. Assim o remetente identifica o destinatário no inicia sua declaração, onde narra os acontecimentos desde o momento em que conheceu a pessoa amada. O primeiro beijo, diz, “foi o melhor da minha vida”. Vieram muitos outros, muitos deles, segunda a narrativa, no cinema, durante o filme “Velozes e Furiosos”. Nessa época, o namoro ainda era segredo. O texto diz que foi muito engraçado quando um amigo em comum disse aos dois que eles “tinham tudo a ver”. E completa: “Nem desconfiou que a gente já estava ficando”.

Lá pelo meio da declaração, o remetente se inspira na música de Roberto Carlos, que canta: “Eu tenho tanto pra lhe falar, mas com palavras não sei dizer”. Apesar das 17 folhas, o autor da carta argumenta: “Não tenho palavras para escrever o que eu sinto por você”. Frases pinçadas do documento não deixam dúvidas da paixão. “Quando você se declarou, dei pulos de alegria”, diz uma. “Você é a pessoa mais linda que eu conheci”, revela outra. O texto, ao que tudo indica, é a comemoração de uma data especial: seis meses de namoro. Que sejam felizes!

Literatura

Pode parecer brega e fora de propósito a atitude da pessoa que dedicou seu tempo a fazer um texto tão grande para a pessoa amada, mas as cartas de amor são recorrentes, por exemplo, na literatura. E o ato de fazer declarações escritas foi retratado na obra de Fernando Pessoa, considerado o maior poeta da língua portuguesa. “Todas as cartas de amor são

ridículas. Não seriam cartas de amor, se não fossem ridículas”, diz Pessoa, no início do poema. Lá na frente ele revela: “Também escrevi em meu tempo cartas de amor. Como as outras, ridículas”. No final, ele sentencia: “Mas, afinal, só as criaturas que nunca escreveram cartas de amor

é que são ridículas”.