Publicado 07 de Setembro de 2013 - 7h00

As obras de recuperação da Rua Gustavo Armbrust e da Praça Salim Jorge, no Cambuí, em Campinas, que desabaram em junho durante uma obra da construtora GNO Empreendimentos e Construções, já causaram um prejuízo de R$ 3 milhões.

“O valor contempla toda a obra de recuperação, inclusive a indenização aos comerciantes do entorno que foram prejudicados”, informou o diretor da GNO, Rogério Nasralla. Segundo ele, o valor está sendo pago pela seguradora da empresa.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (6) quando a construtora apresentou o plano de recuperação do local, que deve estar pronto em março de 2014.

Os trabalhos começaram em junho e entram agora na última etapa, que prevê a reconstrução do muro de arrimo e da laje do prédio de 11 andares que está sendo erguido, além do reaterramento da rua e da praça. “O projeto da fase final foi enviado à Prefeitura, que deve liberar a aprovação nos próximos dias”, explicou Nasralla.

Enquanto a liberação não sai, a empresa finaliza a limpeza do terreno. A execução dessa etapa é a mais demorada do processo de recuperação e deve durar seis meses. O monitoramento do solo continua sendo feito por um equipamento chamado teodolito, que verifica se há movimentação de terra.

Os quatro laudos que irão apontar as causas do acidente, e estão sendo feitos pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), seguradora e dois geólogos, ainda não foram divulgados. Técnicos e engenheiros do instituto acompanham os trabalhos a pedido da Prefeitura de Campinas.

No dia 6 de junho, o muro de contenção da obra cedeu e toneladas de terra e parte da Rua Gustavo Armbrust e da Praça Salim Jorge vieram abaixo. Três imóveis próximos sofreram danos na estrutura e foram interditados. Um deles já foi liberado. Os outros dois serão após o fim das obras.

Veja também