Publicado 13 de Agosto de 2013 - 21h03

Por Paulo Santana

O técnico Paulo César Carpegiani conversa com Uendel e Rildo (à dir.) durante treino no Majestoso

Gustavo Tílio/Especial para AAN

O técnico Paulo César Carpegiani conversa com Uendel e Rildo (à dir.) durante treino no Majestoso

O técnico Paulo César Carpegiani não tem o menor receio de mexer no time. Se alguma peça não está fazendo a sua parte, ele saca logo e muda tudo. Para o jogo desta quarta-feira (14), contra o Vitória, em Salvador, às 21h, vai escalar um zagueiro como lateral-esquerdo (Diego Sacoman) e um lateral (Uendel) será improvisado como volante. O lateral-direito Artur, que havia sido barrado, voltou a ser titular para se transformar em quase um atacante.

É que no meio de tudo isso, o comandante confessa que ainda não encontrou o jogador ideal para fazer a composição com Baraka. Mesmo assim, os jogadores aprovam o estilo do chefe e dizem que não há confusão. "O Paulo passa para a gente que gosta de jogar fora de casa da mesma forma que joga em nosso estádio. Por isso, tenho certeza que nossa equipe vai ser cirúrgica para trazer os três pontos de Salvador", disse Uendel.

Segundo o lateral/volante, os treinos fechados da semana passada foram fundamentais para a nova postura da Macaca. "Já tinha atuado como volante no amistoso com o Audax e ele (Carpegiani) tinha falado que havia gostado. Deu para saber bem o que ele queria e, independentemente da posição, estou aqui para ajudar", comentou.

Uendel teve uma longa conversa com Carpegiani antes e durante o treino desta terça-feira (13). "A gente é profissional e precisa entender que o Paulo sabe o que é melhor para a equipe. Não vejo problema nenhum em sair do time. O atleta precisa entender que muitas vezes é por questão tática. No domingo (11), pude entrar e ajudar. Todo jogador precisa se sentir importante para o grupo, seja em que posição for", discursou.

Escrito por:

Paulo Santana