Publicado 08 de Agosto de 2013 - 23h48

Por Carlos Rodrigues

Torcida bugrina empurra o time

Cedoc/RAC

Torcida bugrina empurra o time

Esqueça o time do 1 a 0. Ontem, o Guarani comprovou sua força e mostrou por que é o melhor time da Série C do Campeonato Brasileiro. No Brinco de Ouro, o Bugre derrotou o Vila Nova por 2 a 0, pela primeira vez venceu por mais de um gol de diferença e manteve a invencibilidade na competição. Os gols saíram no segundo tempo. Henan saiu do banco para abrir o placar e Edmilson fez o segundo.

O resultado recolocou o alviverde na liderança do Grupo B, com 18 pontos e seis à frente do Macaé, o quinto colocado. A marca obtida pelo time campeão brasileiro em 1978 também ficou para trás. Após oito jogos consecutivos sem ser vazada, a defesa bugrina atingiu a maior sequência de partidas sem tomar gol da história do clube. Em alta, o Guarani encerra o primeiro turno no domingo, às 16h, diante do Crac, fora de casa.

A expectativa de uma partida complicada se confirmou no primeiro tempo ontem. O jogo foi concentrado no meio-campo e as defesas não tiveram problemas para anular os inoperantes ataques. O único lance de perigo na etapa inicial foi uma falta cobrada por Fumagalli e que o goleiro Marcelo Pitol mandou para fora.

Na volta para o 2 tempo, a postura dos dois times não mudou. Descontente com a falta de agressividade do time e a atuação ruim de Nena, a torcida bugrina começou a pegar no pé do camisa nove. A cada erro, as cobranças só aumentavam, até que o técnico Tarcísio Pugliese resolveu tirar o atacante e promover a entrada de Henan, aos 11'. Sete minutos depois, foi a vez do apagado Ewerton Maradona dar lugar a Roninho. A partir de então, a partida se transformaria totalmente.

As alterações deixaram o time mais veloz e a estrela do treinador brilhou. Em contra-ataque rápido, Roninho recebeu na esquerda e fez o cruzamento. Henan se antecipou ao goleiro e, de cabeça, fez 1 a 0, aos 23’.

A vantagem deixou o Bugre mais à vontade em campo. O segundo quase veio de novo com Henan, que bateu rasteiro, mas Marcelo Pitol evitou o gol com os pés. Quando a bola veio pelo alto, o goleiro do Vila Nova não teve o que fazer. Aos 32', Fernandinho cruzou e Edmilson subiu mais do que todo mundo para escorar de cabeça e ampliar a vantagem.

Desnorteado, o Vila Nova ainda buscou uma reação, mas aí conheceu de perto o incontestável sistema de marcação bugrino, que brilhou de novo e colocou no bolso os atacantes adversários. Na única vez em que a zaga foi superada, Juliano salvou, defendendo a cabeçada de Neto Gaúcho e confirmando o Guarani como o único time a não sofrer gols nas três principais divisões do Campeonato Brasileiro.

Escrito por:

Carlos Rodrigues