Publicado 27 de Agosto de 2013 - 5h00

Mais Médicos 1

Fernando Martin

Produtor cultural, Campinas Como costume diário, abri o Correio Popular de 25/8 para me atualizar dos acontecimentos, e logo na primeira página constava a notícia sobre as contratações de médicos cubanos. Então, logo pensei em escrever para o Correio do Leitor, com a minha opinião sobre o assunto, porém. Ao continuar a leitura, deparei-me com o editorial, que muito claramente tinha tudo a ver com meus pensamentos, bem como com a excelente crônica do não menos excelente jornalista Zeza Amaral, que muito bem coloca o tão polêmico assunto. E assim sendo, abordo a matéria sobre a sirene deste jornal, a qual me avisou durante anos a fio que havia chegado o horário do almoço quando morei na Rua Dr. Quirino. Parabéns pelo lindo edifício art noveau do Correio Popular e por manter a tradicional sirene há 53 anos.

Mais Médicos 2

José Roberto Hansen

Médico, Campinas

Essa situação está causando atitudes inadequadas pelos colegas médicos. Todo médico será médico em qualquer lugar no mundo. O saber sobre corpo humano, as doenças e os tratamentos são ensinados em todas as faculdades do mundo. (…) Eu sou médico e continuarei sendo aonde estiver nesta terra ou até mesmo no céu. (…) São médicos, são colegas e precisamos tratá-los com o respeito que gostaríamos que fossemos tratados. Responderam ao chamado de socorro de um País e agora estão sendo desqualificados. Para trabalhar no Brasil ou em qualquer local do mundo devem respeitar as leis existentes. Temos que repudiar, abominar as atitudes do governo que estão tentando burlar a legislação brasileira e que deveriam ser os primeiros a respeitá-la. Que todos os médicos seja submetidos à prova de requalificação e pronto. Serão muito bem-vindos e agradecemos todo o apoio humano e técnico que puderam ajudar a nossa Nação .

Mais Médicos 3

Luiz Eduardo Horta

Advogado, Campinas

O Brasil arrumou um jeito de dar dinheiro para Cuba, pagando R$ 10 mil por médico ao mês, enquanto Raul vai decidir quanto desses reais repassará aos abnegados. Ainda vai disseminar a cultura cubana por aqui e arrumar um baita enrosco trabalhista, ignorando a lei nacional. Foi isso que o Zé Dirceu foi aprender em Cuba? Em sã consciência: é certo isso?

Mais Médicos 4

Wagner Paranhos

Microempresário, Campinas

Acho certa a contratação dos médicos cubanos pelo governo brasileiro. Eles preenchem as colocações que são desdenhadas pelos médicos brasileiros e dá-se uma nova oportunidade de vida a esses cubanos, pobres coitados, que vivem num país depauperado pelo comunismo.

Mais Médicos 5

Luiz Gonzaga Pereira

Economista, Campinas

É lamentável que um governo, como os de origem petista, queira atenuar o atendimento médico ao povo brasileiro. Em primeiro lugar, como tais profissionais irão desenvolver as suas atividades sem ter ao menos locais adequados para assistir aos possíveis pacientes? Em segundo lugar, como tais profissionais irão desempenhar suas funções com um parco salário imposto através de um país cujo sistema nada mais é do que escravidão imposta pelo sistema comunista? Em terceiro lugar, pergunta-se sobre a qualificação de tais profissionais e se estão em condições pessoais para o desempenho funcional, atendendo a população dentro de padrões éticos, independentemente do fator, se classe A, B, C, D ou E, a que o possível paciente esteja enquadrado (…)

Cartas

Romilda Cazissi Baldin

Escritora e pequisadora, Campinas

Eu acho uma coisa estranha no Brasil e aqui em Campinas também: o vereador Carmo da Farmácia sempre fez esse serviço à população de seu bairro pelo que se sabia, não foi depois de eleito. Agora, essa notícia vem à tona e fazem um barulho por tão pouco. Ele prestou até um serviço à população, porque os Correios não chegavam nesses bairros, digo chegavam, porque este mesmo vereador, pelas notícias publicadas neste jornal, já está conseguindo levar os Correios até o bairro cidade Singer e adjacências.

Sirene

Maria Nívea Pinto

Prof. aposentada, Campinas

Quando viajo, levo Campinas comigo. Esteja onde estiver, ao meio-dia, minha memória afetiva ouve o som da sirene do Correio Popular, do sino da Catedral e a maravilhosa badalada eletrônica vinda da Basílica do Carmo. Tudo sincronizado, lembrando que é hora de assistir o Jornal Regional. Esses sons são refrigério para quem mora no Centro da cidade e é bombardeado incessantemente com carros de propagandas ou particulares, cujo barulho ninguém merece. Até pouco tempo atrás um funcionário tocava uma sirene no alto do Giovannetti da Rua General Osório. Parece que as pessoas que passavam pelo Largo do Rosário se assustavam e ela foi desativada. Sugiro que deva ser estudado nas escolas, a importância histórica dessa sirene do Correio Popular.

Madre Antonieta

Neusa Ming Hallais

Dona de casa, Campinas

Queria agradecer ao Rogério Verzignasse a alegria que senti com a matéria ele que fez com Madre Antonieta Maria (25/8). Eu era muito pequena quando ia com meus pais ao Patronato São Francisco de Assis visitar minha irmã Ana Maria, que era uma das meninas que teve a felicidade de conviver e aprender bordados com a queridíssima madre e, até hoje, todos da família e amigos da Ana recebem de presente os trabalhos belíssimos que ela faz. Liguei para ela, que ficou muito feliz de saber onde a madre está e quer visitá-la em breve quando vir a Campinas. A madre é uma dessas pessoas que só deixa amor por onde passa, eis o porque de ser tão amada assim.

Edson Moura

José Luiz Arruda Toledo

Advogado, Campinas

Inúmeras vezes injustamente criticado, é notável a competência e o carisma de Edson Moura, prefeito de Paulínia por três vezes, e fator decisivo na vitória de seu filho no último pleito, vencendo o confronto com um prefeito postulante à reeleição, com toda máquina administrativa a seu serviço. Edson transformou Paulínia numa cidade urbanizada e moderna, de renome nacional e internacional: “antes e depois de Edson Moura”. Tudo que existe de moderno e funcional em Paulínia é obra dele: o Paço Municipal, o teatro, o cemitério e o velório, a estação rodoviária, o sambódromo, a ocultação subterrânea da fiação da Avenida José Paulino, o polo cinematográfico etc. Há que se fazer justiça a esse vencedor.