Publicado 23 de Agosto de 2013 - 5h00

Folclore

Oswaldo Real

Prof. aposentado, Campinas No Dia Mundial do Folclore, comemorado ontem, se expressam crenças populares, tradições, lendas, provérbios, contos e canções do conhecimento do povo. O pandeiro, a gaiata, o atabaque, são alguns dos instrumentos usados em músicas folclóricas. Crenças em lobisomens, assombrações, defumantes, despachos, folias, banhos de cheiro, estão também incluídos no folclore que se transmite oralmente. Em Campinas, grupos de corais, como Pio XI (onze), Vozes Amigas, N. S. Aparecida, Trilhas, entre outros, divulgam músicas folclóricas. Estão de parabéns, portanto, todas as pessoas que investigam ou colecionam tradições e canções populares.

Cartas 1

Raymundo Rodrigues Espelho

Aposentado, Campinas

O Correio, que não distribui cartas, em 21/8 publicou interessante matéria que acredito nunca tenha havido outra semelhante. Dono de farmácia, o “nobre vereador” recebia, ou recebe R$ 28 mil por ano, o que chama de “taxinha simbólica”, para guardar e entregar correspondências para moradores de sua região, que não têm endereços certos para recebê-las. Sendo legislador em um dos maiores e mais ricos municípios do Brasil, disse desconhecer que essa atividade é ilegal, quando é sabido que é exclusividade do Correio. Ao mesmo tempo, disse que já esteve em Brasília. (os políticos brasileiros gostam muito de ir a Brasília.) para falar com o presidente dos Correios. Nos dá a impressão de que o farmacêutico pensava que estava fazendo caridade para aquelas criaturas.

Cartas 2

Correios

Diretoria reg. S.P-Interior, Bauru

Os Correios informam que as entregas postais são efetuadas de acordo com os endereços indicados como destinatários das correspondências em questão, cabendo ao remetente a responsabilidade pelo correto preenchimento do endereço do destinatário.

Ressalta-se que, em áreas que não contam com entrega domiciliária, os Correios disponibilizam aos moradores o serviço de entrega interna em unidade do município, denominado Posta Restante, no qual o objeto permanece por 20 dias à disposição do destinatário. (...) A modalidade (...) não tem custos para o destinatário. Outra opção (...) é por meio da Caixa Postal, serviço pago que possibilita ao cliente (...) obter um domicílio postal e nele receber suas correspondências. (...)

Saúde

Márcio Batista de Sousa

Advogado, Campinas

Parabéns ao vereador Thiago Ferrari pelo seu projeto de lei sobre a criação de hospital veterinário público. A rede municipal de saúde está um “lixo” e pelo que parece vai continuar assim por muito tempo. Filas enormes e pessoas agonizando nos corredores e aí, uma mente brilhante quer implantar um hospital para animais. Nada contra, desde que a rede municipal de saúde fosse um exemplo. O ser humano em primeiro lugar. Dê atenção satisfatória às pessoas que precisam de um atendimento público em hospital de qualidade, o que não veremos pelos próximos cem anos. Porém, como os políticos têm tratamento “vip” no Sírio Libanês, com gastos

pagos pelo povo, eles não se preocupam com a qualidade da saúde pública, nem passam perto. Ah!, para administrar o hospital, nomeia o deputado Feliciano, ele já tem experiência suficiente com sua ONG.

Protesto

Walter Aprile

Aposentado, Campinas

O que mais nos chama a atenção nesse movimento dos jovens é seu caráter apolítico, pois não são ligados a qualquer partido político. Em virtude desse movimento, muitas medidas impopulares foram revogadas. Diante disso, logo se vê que recursos existem, não é preciso cortar investimentos, o que, se acontecesse, poderia gerar grandes insatisfações. Esse movimento deu sinal vermelho para a tolerância. Os que têm o poder de decisão devem ter percebido que paciência tem limite e devem tomar conhecimento que direito, pelo fato de ser direito, não é favor, por isso dispensa debates.

Caravela

Izabelle Cesco de Carvalho

Estudante, Campinas

Já estava na hora da Caravela começar a ser levada mais a sério. A embarcação, que antigamente, recebia a visita de muitos turistas, deixava os meus passeios mais divertidos, e que agora só existe uma nau com madeiras podres. Depois de muitos milhões investidos para não dar em nada, começaram a quinta reforma. Falam que dessa vez vai dar certo, eu espero mesmo, pois já jogaram muito dinheiro fora, enquanto podiam estar reformando hospitais, escolas e abrigos. Em minha opinião, a Caravela deve ser reformada sim, mas que não parem no meio do trabalho e depois de anos comecem de novo, gastando mais dinheiro, pois, o povo já não acredita mais que um dia ela estará de pé novamente.

Menores

Ivan Mateus Nogueira Ferreira

Op. cinematográfico, Campinas

Domingo, ao assistir no Fantástico a reportagem sobre os menores que estão “reclusos” na Casa do Menor João do Pulo fiquei estarrecido com tamanha violência, com o fato dos pobres meninos inocentes apanharem. Os funcionários são monstros, e nem adianta falar que eles são ameaçados constantemente pelos traficantes e as suas organizações, são reféns em rebeliões, que ganham mal para gerenciar jovens que o estado joga em jaulas. E o que mais me deixou triste é que o Estado paga R$ 7 mil por um jovem “recluso”, enquanto o mesmo governo paga R$ 1 mil para um jovem estudar na escola. Aí, eu pergunto a você empresário: é mais barato educar um aluno para que ele nunca vá para a Casa do Menor ou reeducar um menor já na Casa do Menor? Desculpa, eu perguntei isso porque eu sou meio lento.

TAV

João Bento

Rep. com. autônomo, Campinas

Não nos surpreendeu a decisão do governo em adiar mais uma vez o leilão do prometido trem de alta velocidade (TAV), que estava marcado para o dia 19 de setembro. É incrível como tudo no Brasil é complicado e não é só no âmbito federal que a coisa caminha morosamente, o mesmo acontece nos estados e municípios. Apenas fazendo uma remota comparação, citamos aqui o projeto de ampliação do ramal férreo da nossa maria-fumaça, desde a Estação Anhumas até a praça Arautos da Paz, um empreendimento que visa incrementar o turismo naquela região, mas que vem sendo protelado por diversas vezes sem uma explicação plausível para tanto embargo de obra.

Transporte

Durval Davi Luiz

Advogado, Campinas

Em entrevista à rádio CBN, no dia 14/8, o secretário de Transporte e presidente da Emdec deixou claro que no caso da não aprovação do subsídio pela Câmara Municipal para o transporte urbano, o preço da passagem voltará a ser o de R$ 3,30, preço anterior as manifestações de junho. O prefeito deveria vir a publico esclarecer essa situação e ainda esclarecer porque esse sr. (…) tem um cargo tão importante. Nada contra a pessoa do secretário, porém, contra sua postura na cassação dos prefeitos.