Publicado 26 de Agosto de 2013 - 18h49

UTI do Hospital Municipal de São José, que é líder na captação de órgãos

Divulgação

UTI do Hospital Municipal de São José, que é líder na captação de órgãos

Um levantamento da Central Regional de Transplantes do Estado de São Paulo mostrou que o Hospital Municipal (HM) de São José dos Campos está em primeiro lugar em notificações de morte encefálica no ano de 2013 no Vale do Paraíba, região Bragantina e grande Campinas. Segundo a Secretaria de Saúde, até esta segunda-feira (26) já tinham sido notificados pelo hospital 19 potenciais doadores, com dez doações efetivadas. O resultado foi a doação de 16 rins, sete fígados e dois corações. Esse número já supera o total de captação de órgãos dos anos anteriores: em 2011 foram feitas sete captações e, em 2012, foram realizadas oito captações durante todo o ano.

Segundo o diretor clínico do HM, Marcos Antônio Silva, o sucesso da Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), no seu terceiro ano de trabalho, é um orgulho para o hospital. “Esse resultado é fruto do comprometimento da equipe aliado à generosidade dos familiares, mas também reflete toda a maturidade de gestão que o hospital vem ganhando nos últimos anos”, disse.

A captação de órgãos pelo Hospital Municipal começou em 2010 e cresceu significativamente a cada ano. Neste ano, além do aumento do número de doações, foram doados órgãos mais nobres, o que é um indicador da excelência técnica dos profissionais.

Desde 2010, o hospital já viabilizou a doação de 19 fígados, 44 rins, 40 córneas, um pâncreas, três corações e três doações de ossos, beneficiando cerca de 120 pessoas.

O passo principal para se tornar um doador é conversar com a família e deixar bem claro o desejo. Não é necessário deixar nada por escrito. Porém, os familiares devem se comprometer a autorizar a doação por escrito após a morte. A doação de órgãos é um ato pelo qual você manifesta a vontade de que, a partir do momento da constatação da morte encefálica, uma ou mais partes do seu corpo (órgãos ou tecidos), em condições de serem aproveitadas para transplante, possam ajudar outras pessoas.

Quais os requisitos para se tornar um doador?

- Ter identificação e registro hospitalar;

- Ter a causa do coma estabelecida e conhecida;

- Não apresentar hipotermia (temperatura do corpo inferior a 35ºC), hipotensão arterial ou estar sob efeitos de drogas depressoras do Sistema Nervoso Central;

- Passar por dois exames neurológicos que avaliem o estado do tronco cerebral. Esses exames devem ser realizados por dois médicos não participantes das equipes de captação e de transplante;

- Submeter-se a exame complementar que demonstre morte encefálica, caracterizada pela ausência de fluxo sanguíneo em quantidade necessária no cérebro, além de inatividade elétrica e metabólica cerebral;

- Estar comprovada a morte encefálica. Situação bem diferente do coma, quando as células do cérebro estão vivas, respirando e se alimentando, mesmo que com dificuldade ou um pouco debilitadas.