Publicado 13 de Agosto de 2013 - 16h05

Bandidos invadem Cemitério da Saudade para furtar objetos de bronze

Cedoc/RAC

Bandidos invadem Cemitério da Saudade para furtar objetos de bronze

Mais uma vez o Cemitério da Saudade, no bairro Campos Elíseos, zona Norte de Ribeirão Preto, foi alvo de bandidos que tentaram furtar objetos do local, na madrugada desta terça-feira (13). Pelo menos seis invasões foram registradas em boletins de ocorrência desde o início do ano.

Vigilantes do local e a Guarda Municipal detiveram em flagrante o autônomo Flávio Costa Bento, 20 anos, após ele ter pulado o muro do cemitério e levado um vaso de 40cm, um artefato no formato de uma bíblia e 16 placas de 30cm. Todos os itens retirados são feitos de bronze.

A ação dos criminosos foi presenciada pelo inspetor dos vigilantes Manoel Barbosa Júnior, 38 anos, que viu dois homens arremessando os objetos de bronze sobre o muro e em seguida escalando para tentar fugir. O autônomo foi pego por um vigilante já do lado de fora, enquanto Júnior tentou segurar o comparsa pelas pernas e levou um chute no braço esquerdo, que causou lesão leve.

O homem conseguiu fugir. Já o autônomo foi levado à Central de Flagrantes e depois encaminhado ao Centro de Detenção Provisória da cidade. Os objetos de bronze foram devolvidos a seus lugares.

Para o administrador do Cemitério da Saudade, Josimar Carreira, o local tem sido alvo frequente dos moradores de rua, que visam pegar os materiais de bronze para vender e comprar drogas. “Eles saem do Cetrem (Central de Triagem e Encaminhamento ao Migrante/Itinerante e Morador de Rua) e vão direto para o cemitério tentar furtar as peças. As tentativas de furtos são frequentes e se não ficar atento eles entram e levam tudo mesmo.”

Carreira diz acreditar que um simples atitude, como erguer um pouco mais a altura dos muros, que atualmente têm 1,85m, seria uma maneira eficaz para dificultar a entrada de assaltantes. Por outro lado, a burocracia impede a implantação imediata dessa medida, já que o quadrilátero onde está o Cemitério da Saudade é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (Conppac). “É um profundo desrespeito o que essas pessoas estão fazendo com os mortos e as famílias e faz quatro anos que estamos aguardando uma resposta do Conppac. É só colocar mais meio metro de muro que resolve o problema.”

Sobre esse impasse a Prefeitura Municipal se manifestou por meio de nota oficial. “O cemitério é tombado pelo Conppac, e a Secretaria de Infraestrutura entrou com um pedido de autorização para suspensão do muro e colocação de cerca concertina.” Ainda não há prazo para uma resposta oficial. Em relação à falta de segurança, a administração informou que o local tem segurança 24 horas. A Guarda Municipal realiza diariamente patrulhamento na área e há também agentes de uma empresa terceirizada e funcionários da Secretaria de Infraestrutura atuando no setor.