Publicado 13 de Agosto de 2013 - 9h29

Crianças na Escola Estadual Ruy Rodriguez, no Jardim Itajaí, onde faltou a batata, acelga, cebola, pão e suco: merendeiras alteraram o cardápio

Elcio Alves/AAN

Crianças na Escola Estadual Ruy Rodriguez, no Jardim Itajaí, onde faltou a batata, acelga, cebola, pão e suco: merendeiras alteraram o cardápio

Escolas de Campinas passaram a improvisar o cardápio da merenda diante da falta de frutas, legumes e verduras que são entregues pela Prefeitura para compor as refeições. O problema começou há pelo menos uma semana, com o fim das férias, devido a uma questão burocrática na renovação do contrato com a empresa que fornece os itens. A Secretaria de Educação é responsável pela compra de toda alimentação das escolas estaduais e municipais.

A Centrais de Abastecimento de Campinas (Ceasa) é que faz a distribuição da mercadoria e a elaboração do cardápio. Na Escola Estadual Ruy Rodriguez, no Jardim Itajaí, as merendeiras tiveram de alterar o trabalho na cozinha para que os alunos não fiquem sem a refeição. Segundo a diretora Margareth Aparecida Ferrigo, na merenda servida no período da manhã de ontem, o prato programado — arroz, ovo e atum — foi mantido, mas a batata cozida e a salada de acelga foram retiradas do cardápio porque não foram entregues pela Prefeitura. O arroz também foi temperado apenas com alho, uma vez que a escola não recebeu a cebola.

Na sexta-feira, afirmou Margareth, as cozinheiras tiveram de improvisar o lanche com frango desfiado porque não tinha pão. Com isso, as merendeiras cozinharam arroz para acompanhar o frango. O suco de maracujá que é servido também teve de ser cancelado. “Aqui temos turnos na manhã, tarde e noite. Muitos fazem refeição na escola. Temos alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos) que contam com a merenda”, disse a diretora, que também é membro do Conselho Municipal de Alimentação Escolar.

Segundo a diretora, um comunicado foi feito à escola no início das férias, mas o problema veio à tona com o retorno dos alunos. “Entrei em contato com o departamento responsável e me disseram que tentariam transferir os alimentos de outra unidade para cá. E a outra ficaria sem?”

O problema burocrático da Secretaria de Educação também atingiu as escolas mantidas pela Prefeitura. O Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Aurora Santoro, no Jardim Ipaussurama, registrou falta de temperos, como cebola e alho, de acordo com informações de funcionários. Outras escolas municipais no Jardim Maracanã e Itajaí também tiveram problemas e não receberam vários tipos de frutas ou verduras.

Segundo Solange Loureiro Pozzuto, membro do Conselho de Alimentação Escolar, o problema não foi informado aos conselheiros, que se reúnem nesta semana. “Nós devemos conversar sobre isso ainda, mas a melhoria na merenda é uma luta constante nossa”, disse. Segundo ela, cabe às unidades optar pela refeição ou por lanches. No primeiro caso, são oferecidos pratos com carne — exceto na segunda-feira quando o cardápio prevê ovo — além de salada, verdura e fruta de sobremesa.

Outro lado

A Secretaria de Educação confirmou na tarde de ontem que a entrega de frutas, legumes e verduras está comprometida em função dos entraves burocráticos: a Prefeitura teve dificuldade na renovação do contrato com a empresa fornecedora, mas não deu detalhes. Porém, por meio da assessoria de imprensa, informou que o problema foi “pontual” e está sendo solucionado. Uma nova licitação foi aberta para que outra empresa assuma o serviço no próximo ano.