Publicado 12 de Agosto de 2013 - 15h26

Presidente Dilma Roussef inaugurou primeiro trecho de etanolduto e cumprimentou os funionários da empresa

Divulgação

Presidente Dilma Roussef inaugurou primeiro trecho de etanolduto e cumprimentou os funionários da empresa

A presidente Dilma Rousseff (PT) inaugurou nesta segunda-feira (12) o primeiro trecho do Sistema Logístico de Etanol, que liga Ribeirão Preto a Paulínia, com 206 quilômetros de extensão e investimentos de R$ 1 bilhão. A obra, com o objetivo de interligar as regiões produtoras a grandes centros consumidores de etanol, interligará 45 municípios de vários Estados do País. A previsão de investimentos, públicos e privados, é da ordem de R$ 7 bilhões. Participaram da cerimônia de inauguração o governador Geraldo Alckmin (PSDB), os ministros Edson Lobão (Minas e Energia) e Helena Chagas (Secretaria de Comunicação Social), deputados federais e estaduais, a prefeita Dárcy Vera (PSD), o presidente da Câmara Municipal, Cícero Gomes da Silva (PMDB), além de prefeitos e vereadores.

Em seu discurso, a presidente disse que a inauguração é um marco no segmento do etanol no Brasil, por ser o País uma referência internacional na produção de etanol a partir da cana-de-açúcar. Também registrou que a união de empresas públicas e privadas, como é o caso do sistema Logum, constrói um sistema de transporte de nível internacional para o etanol.

“Hoje nós estamos aqui inaugurando o primeiro trecho, a primeira fase – são nove fases, se eu não me engano – de um sistema, o sistema Logum, que usa tanto os dutos, o etanolduto, como a hidrovia para escoar a produção de etanol. Com isso a gente vai evitar usar caminhão, portanto é muito menos poluente, mas, ao mesmo tempo, é muito mais competitivo, porque o preço do transporte se torna um custo menor na cadeia toda de valor do etanol”, afirmou.

Ela também destacou a ousadia do projeto, de 1,8 mil quilômetros de dutos, sendo a primeira etapa a ligação de uma importante região produtora – Ribeirão Preto – com um grande centro distribuidor – Paulínia. “O etanol brasileiro é reconhecido internacionalmente por sua vantagem competitiva estratégica e ambiental e pode ficar ainda mais competitiva com redução nos custos do transporte”, falou.

Segundo ela, o trecho inaugurado faz parte de um grande esforço para modernização em infraestrutura, elemento fundamental para o país crescer. E aproveitou para falar de melhorias também no transporte rodoviário. “Por meio de concessões pretendemos expandir 10 mil quilômetros de ferrovias e duplicar 7 mil quilômetros de estradas", afirmou a presidente, informando que algumas licitações serão abertas ainda neste mês.

Compromisso

Em seu discurso, o governador Geraldo Alckmin destacou a importância do sistema inaugurado e reafirmou o compromisso de manter investimentos no setor, lembrando a redução de ICMS do etanol feito em seu governo. “O etanolduto vai retirar 95 mil caminhões/viagem por ano de nossas estradas. Com a grande parceria com o governo federal na hidrovia Tietê Paraná vamos ampliar ainda mais esse sistema de transporte. Quando entidades federativas se unem, o Brasil ganha. Hoje é um dia de grande conquista”, afirmou.

Já o ministro Edson Lobão lembrou o início do Programa Nacional do Álcool, há cerca de 40 anos, quando o mundo vivia uma grande crise no abastecimento de combustíveis. E comentou que o programa foi visto com desdém por uns e com interesse por outros e atraiu interesseiros, mas também grandes empresários que apostaram e investiram na produção. Depois sofreu novas críticas, com argumentos de que o Brasil priorizava produção de etanol em detrimento de alimentos.

“Tive que defender o programa várias vezes e mostrar que aquilo não era verdade. O Brasil tem 80 milhões de hectares de terra disponíveis para a agricultura”, apontou. Sobre o etanolduto disse que representa a demonstração que a modernidade também chegou a esse setor. E salientou o crescimento. “Na época do lançamento a produção era de 22 bilhões de litros de etanol e nesta safra avançamos a 27 bilhões de litros”.