Publicado 09 de Agosto de 2013 - 5h03

O ator Marco Nanini em cena do espetáculo em cartaz em Campinas

Divulgação

O ator Marco Nanini em cena do espetáculo em cartaz em Campinas

Antes de mais nada, um aviso precisa ser dado: não se trata de uma comédia popularesca e, muito menos, o espectador verá Lineu Silva, de "A Grande Família" (Globo), no palco. “Gosto de avisar porque não quero vender gato por lebre. Não estou pegando carona na fama do Lineu.

Estamos falando de um autor francês muito importante (Georges Perec, 1936-1982), que fez parte de um grupo de destaque na década de 60. Portanto, é um texto repetitivo e com um humor mais refinado”, anuncia Marco Nanini. A obra em questão é "A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento", monólogo que chega hoje a Campinas no Teatro Brasil Kirin, no Iguatemi.

No ar há 13 anos com o mesmo personagem, o que Nanini mais quer, obviamente, é apresentar personagens diferentes, já que esse é o papel do ator. “Eu preciso me renovar e esse texto é uma oportunidade de o público ver diversas atuações, por ser um incrível exercício de atuação e direção.” Para isso, Nanini conta que ele e Guel Arraes mesclaram os próprios estilos ao do autor, com o objetivo de conseguir esses vários estilos de atuação. “Claro que ainda sou eu, com o mesmo nariz, com a mesma boca. Mas a gente quer pegar a mesma emoção de outra forma”, brinca.

Georges Perec é um nome conhecido da literatura experimental, principalmente por promover exercícios linguísticos de alto virtuosismo e pelo mais fino humor francês, privilegiando a observação e a ironia. “É um texto sem vírgulas nem pontos finais, que ganhou uma tradução de José Almino muito diferente. A proposta do grupo que Perec fazia parte era produzir literatura com certas regras de escrita. O próprio Perec escreveu um romance sem a letra E, e depois um sem a letra A. O líder do grupo tem um livro só sobre as formas de literatura. É um exercício bem interessante”, afirma.

Guel Arraes, que está no terceiro projeto teatral com Nanini (depois de "O Burguês Ridículo", em 1996, e "O Bem Amado", em 2007), conheceu esse grupo e apresentou o texto "A Arte e a Maneira..." para o ator há 11 anos. O interesse veio desde então, principalmente pela proposta de não ter narrativa e nem uma história clássica. O desafio, portanto, recai na ausência de um personagem. “Esse é meu segundo monólogo. Mas a coisa que eu mais gosto é contar uma história. Se tem um, dois, três personagens, não me importa. Eu vou pela forma dramatúrgica, pelos detalhes e pelo gosto de transformar um texto em algo prazeroso para o público ver”, confessa Nanini. Palestrante

O monólogo é em formato de palestra, conta o ator, com um palestrante dando dicas de como abordar o chefe. Na verdade, ele levanta um organograma — tão complexo quanto irônico — sobre as possibilidades de sucesso e fracasso na angustiante missão de pedir um aumento de salário. No decorrer das muitas tentativas, o texto sublinha o ridículo da situação e, ao retratar os labirintos de uma grande empresa, ironiza a vida moderna e o mundo corporativo. Ou seja, é mais fácil entender o que não fazer na hora de pedir um aumento. Um momento de diversão e único para o público.

“O teatro por si só é um momento único, porque é o encontro do ator com o público. Você viaja e conhece tantas plateias diferentes, em uma época tão tecnológica, mas você está lá, pronto. Sempre farei teatro porque é um encontro muito bonito, e eu gosto de dar uma certa cerimônia a isso. O teatro precisa de calma para ser exercido. E eu, como disse, por estar há 13 anos fazendo um mesmo personagem na televisão, preciso renovar meu dia a dia na atuação”, completa o ator.

Agende-se

O QUÊ: "A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento", com Marco Nanini

QUANDO: Sexta-feira (9), sábado (10), dias 16 e 17, às 21h

ONDE: Teatro Brasil Kirin (Shopping Center Iguatemi Campinas, Av. Iguatemi, 777, Vila Brandina, fone: 3294-3166)

QUANTO: sextas R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia); sábados R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia)

VENDA DE INGRESSOS: 

pelo Ingresso.com (www.ingresso.com.br) ou na bilheteria do teatro de terça-feira a sábado, das 13h às 21h, e domingos das 12h às 20h