Publicado 09 de Agosto de 2013 - 21h01

Por Renata Rondini

O levantador Paulo Renan, de 28 anos, defendeu por três anos a equipe do Benfica, de Portugal

Rodrigo Zanotto/Especial para AAN

O levantador Paulo Renan, de 28 anos, defendeu por três anos a equipe do Benfica, de Portugal

Com turno único na fase de classificação, o Vôlei Brasil Kirin não quer desperdiçar pontos fora de casa no Campeonato Paulista. O time encara Atibaia, neste sábado (10), às 19h, no Ginásio Elefantão, pela 2ª rodada, e pretende embalar no torneio após a vitória sobre São José dos Campos na estreia em Campinas, semana passada.

Ao lado do Sesi, o Brasil Kirin lidera o Estadual com três pontos (o primeiro colocado no turno de classificação avançará direto para as semifinais). As duas equipes são apontadas como as favoritas da edição 2013 e a expectativa é que reeditem a final do ano passado, quando o time da Capital foi campeão. O elenco campineiro reconhece a cobrança por um bom desempenho.

“Sim, temos o favoritismo e temos que assumir a responsabilidade. Sabemos que temos jogadores rodados, que já estiveram na Seleção Brasileira, e por isso a expectativa é que cheguemos às finais. Mas no papel tudo é lindo, temos que traduzir isso em quadra. E somos o time que está nas cabeças, todo mundo vai querer bater”, comentou o levantador Paulo Renan.

Aos 28 anos, o atleta vive grandes expectativas com o Vôlei Brasil Kirin. “Desde que virei profissional, passei por São Bernardo, mas nunca tive a oportunidade de jogar com regularidade, ser titular, e aí saí para jogar fora, fui para o Benfica em Portugal. Fiquei três anos por lá, ganhei muita experiência, joguei 98% dos jogos e retornei a São Bernardo na temporada passada. E agora estou numa equipe grande, com estrutura bacana. Tanto eu quanto o Rodriguinho (levantador) estamos aqui para jogar, não tem titular e reserva”, comentou.

Paulo Renan começou no futsal em Londrina ao lado de craques como o lateral-direito Rafinha, que atualmente defende o Bayern de Munique, mas a estatura (1,86m) e o gosto o fizeram optar pelo vôlei como profissão.

FORA DE CASA

Para Paulo Renan, o primeiro duelo fora de casa do Brasil Kirin será difícil. “O ginásio lá não é o melhor de todos, é mais escuro, mas temos experiência suficiente para saber lidar com isso. E esperamos um time muito mais aguerrido que no amistoso com eles. Lá a torcida apoia e, com ginásio lotado, fará pressão”, disse. Na preparação para a temporada, o time campineiro disputou um amistoso com Atibaia de quatro sets e venceu todos.

O técnico Alexandre Rivetti também espera um comportamento mais agressivo do adversário. “O time, quando joga dentro de casa, não tem nada a perder, vai vir com tudo. Atibaia tem a tendência de, em casa, dificultar muito os jogos. Apesar que acho que o time deles não está tão forte este ano como nas temporadas anteriores e espero que possamos ter uma partida tranquila lá, treinamos para isso”, avaliou. Atibaia fará sua estreia no Campeonato Paulista, já que teve folga na primeira rodada.

A novidade no Brasil Kirin para a partida desta noite de sábado será a estreia do líbero Pará, de 19 anos, revelado nas equipes de base, entre os profissionais. Ele assumirá a vaga de Alan, que está na Seleção Brasileira disputando o Sul-Americano.

Escrito por:

Renata Rondini