Publicado 12 de Agosto de 2013 - 8h04

Por Vilma Gasques

Com cerca de 140 quilômetros de costa, cidade é paraíso para praticantes de esportes aquáticos

Divulgação

Com cerca de 140 quilômetros de costa, cidade é paraíso para praticantes de esportes aquáticos

Nem só de Verão vivem as cidades praianas. Ilhabela, por exemplo, se transforma durante o Inverno para receber os turistas. As atrações vão desde música a gastronomia, mantendo assim o agito do destino no Litoral paulista. A grande atração neste período é o Festival do Camarão, que está em sua 18 edição e será realizado em dois finais de semana de agosto (veja matéria na página ao lado).

A cidade é batizada de Ilhabela não por acaso. É uma ilha que chama a atenção por diversos motivos, mas com uma beleza ímpar. Água cristalina, areia branca, praias com visual paradisíaco e mata fechada. Esse conjunto de belezas forma um cenário que agrada a todos. Se a ideia é buscar o sossego, há belas praias mais distantes do agito e que são bem tranquilas, com águas calmas. Mas, se a viagem for para quem busca emoção, são inúmeras as opções de esportes, que vão de vela a surf, de trilhas a esportes mais radicais como mergulho e rapel.

Ilhabela é a maior ilha marítima brasileira, com área de 352 quilômetros quadrados e cerca de 140 quilômetros de costa. São mais de 40 praias e pelo menos 300 cachoeiras e poços, entre 14 montanhas, com altitude de 600 a 1,3 mil metros. O clima é tropical úmido e a temperatura média durante o ano vai de 22 a 28°C.

Foto: Divulgação

Cidade tem cerca de 300 cachoeiras, como a da Toca, para quem busca sombra e água

Cidade tem cerca de 300 cachoeiras, como a da Toca, para quem busca sombra e água

Na realidade, Ilhabela compreende várias ilhas, ilhotas e parte da Mata Atlântica. Mais de 85% da área é tombada e protegida pelo Parque Estadual de Ilhabela, criado em 1977. A biodiversidade da ilha é muito rica. Além da Mata Atlântica, a região possui restingas e mangues. Com uma vegetação ampla, a fauna também é bastante exuberante, com mamíferos e aves característicos desse tipo de vegetação.

Cada uma das praias tem seu atrativo, mas elas não servem apenas para os banhistas se refrescarem. Ilhabela é conhecida como a Capital da Vela, já que desde 1973 sedia o mais tradicional evento de vela da América Latina, sempre no mês de julho. A Semana Internacional de Vela de Ilhabela reúne cerca de 1,5 mil velejadores. Além das regatas, o evento conta com atividades paralelas como palestras, exposições fotográficas, exibições de filmes e documentários ao ar livre, shows e recreação infantil.

Além da Semana de Vela, Ilhabela recebe etapas da Match Race Brasil, dos Campeonatos Brasileiros de diversas classes de iatismo e inúmeras regatas.

As praias da ilha também são recomendadas para quem gosta de surf e mergulho, dois esportes muito praticados no local por causa das diversificadas praias, com grandes ondas para o surf ou águas ideais para o mergulho, seja para caça ou para um mergulho autônomo. Os navios naufragados que cercam a ilha — há cerca de cem embarcações naufragadas entre rebocadores, cargueiros, veleiros antigos, vapores e navios de passageiros — são uma atração a mais para os mergulhadores. Os principais naufrágios são: Príncipe de Astúrias, considerado o maior naufrágio da costa brasileira (Praia de Pirambura). O transatlântico espanhol levava 590 passageiros a Buenos Aires, no Carnaval de 1916. Morreram 477 pessoas. Ele também trazia uma valiosa carga de cobre, chumbo, estanho e estátuas para monumentos na capital argentina. Além desse, o Aymoré (Ponta do Ribeirão entre Praia Grande e Curral), Velásquez (Ponta da Sela) e Terezina (Costão do Taubaté) são atrações imperdíveis para quem pratica mergulho.

Windsurf e kitesurf são outras modalidades oferecidas aos turistas em Ilhabela. O trekking e o mountain bike, assim como o off road (de jipe ou motocicleta), também têm grande espaço na região, que oferece as mais diversas trilhas, com diferenciados níveis de dificuldade, belíssimas paisagens e valores históricos. Quem procura emoções mais fortes pode fazer rapel nos costões da ilha ou participar de corridas de aventura. 

Camarão, a estrela de agosto

Foto: Divulgação

Prato do restaurante Capitano para o Festival do Camarão: toque especial ao tagliatelle

Prato do restaurante Capitano para o Festival do Camarão: toque especial ao tagliatelle

Não há discussão: a estação mais fria do ano é propícia para a boa gastronomia. É, exatamente, por esse motivo que a grande atração de Ilhabela neste período é o Festival do Camarão, que está em sua 18 edição e será realizado em dois finais de semana de agosto.

Na programação, concursos, degustações, cardápios especiais e cursos ministrados por chefs nacionais e internacionais, além de shows e atividades culturais desenvolvidas pelos restaurantes.

O evento, uma realização da Associação Comercial e Empresarial de Ilhabela, acontece entre os dias 16 e 25 de agosto e deve reunir mais de 30 restaurantes da cidade — cada um desenvolve uma receita diferente usando o crustáceo. Há uma variedade para todos os gostos, desde massas e sanduíches a tortillas. O festival também contará com um guia gastronômico de todos os estabelecimentos participantes, que será distribuído em hotéis e pontos turísticos de Ilhabela.

Além dos pratos servidos nos restaurantes participantes, tem ainda o Boteco do Camarão, uma estrutura montada nos dois finais de semana do festival na Praça Coronel Julião, no Centro da ilha, na qual cada estabelecimento monta seu quiosque. Há, também, uma cozinha completa montada no local para a preparação de pratos com o crustáceo, ao vivo. No dia 25, por exemplo, será a vez da tradicional paella.

O Festival do Camarão de Ilhabela é uma tradição que consta no calendário de eventos do município e reúne não somente restaurantes, mas também bares e quiosques de praia. A atração atrai cerca de 120 mil turistas e aproximadamente 40 mil veículos.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Ilhabela (Acei), Leopoldo Pedalini Neto, diz que cada participante define os valores do prato que desenvolveu e não há limite de preço. “Fazemos em agosto porque é o mês de maior produção de camarões. O período de defeso termina no final de maio. Então, é uma época em que todos podem comer camarão à vontade”, destaca.

Além das praias

Quem visita Ilhabela não se encanta apenas com as suas belas praias. As trilhas são outra grande atração da ilha. E as cachoeiras formam um espetáculo para os turistas.

A trilha Água Branca, por exemplo, conduz a várias cachoeiras, com piscinas das águas límpidas das montanhas. É a única trilha com infraestrutura. Ao longo do seu percurso estão instaladas lixeiras, identificação das árvores e pontos de descanso com mesas e cadeiras para lanches. O acesso é pela estrada de Castelhanos. (Vilma Gasques/Da Agência Anhanguera)

 

Pequeno roteiro das praias mais conhecidas

CURRAL

A 12 quilômetros da balsa, sentido Sul da ilha. Uma das mais badaladas e frequentadas pelos turistas jovens, com vários bares espalhados na areia e música ao vivo. A maior parte dos bares tem estacionamento e no local é possível alugar caiaques. Na praia do Curral há o Hotel DPNY, um dos mais conceituados do Brasil. FEITICEIRA

A cinco quilômetros da balsa, ao Sul. É uma das mais belas de Ilhabela. O acesso é por meio de uma fazenda.

PRAIA GRANDE

Fica depois da Praia da Feiticeira. É uma das mais frequentadas, com bares, pequenos restaurantes e campings. Para os esportistas, há uma quadra de esportes, ao lado da igreja.

ILHA DAS CABRAS

No Litoral Sul, praia com belo visual da Ilha das Cabras, que é uma propriedade particular. Mas, mesmo assim, é possível mergulhar e ver peixes e animais marinhos entre as pedras. Tem pequenos bares, restaurantes e pousadas.

PORTINHO

Também no Sul da ilha. O atrativo principal é que é uma praia bem pequena, com algumas casas, pousada e restaurante.

BONETE

Depois da Cachoeira da Laje, no Sul da ilha. O melhor acesso é pelo mar. Para quem gosta de aventura, é possível chegar a pé, após três horas de caminhada, a partir de Borrifos. As águas são agitadas e frequentadas por surfistas.

PINTO

Localizada no Norte da ilha, após a Praia da Armação. Um dos lugares preferidos dos jovens e frequentado por praticantes de wuindsurf.

JABAQUARA

Com cerca de 500 metros de extensão e águas calmas, é a última praia acessível pela estrada pavimentada ao Norte. Bom local para prática de windsurf. O acesso é por uma pequena trilha. Tem bela paisagem, com cachoeira e muita vegetação.

PEQUEÁ

Localizada antes de chegar à vila, onde era o antigo aeroporto. Pequena e simpática, com muitas casas de veranistas, é frequentada por praticantes de pesca.

SACO DE CAPELA (CENTRO)

Conta com vários hotéis e fica ao lado do Iate Clube Pindá, onde há barcos ancorados. Vários quiosques espalham-se pela praia.

PEQUERÊ

Bem arborizada, é um dos pontos mais frequentados da ilha, com bares, restaurantes, comércio e quiosques na praia.

CASTELHANOS

O acesso até a praia é difícil e é preciso ir com um veículo 4x4, já que fica no lado oposto da ilha. É a maior praia do arquipélago e boa para surf e mergulho. A estrada para a praia tem 22 quilômetros, é de terra e bastante esburacada.

COMO CHEGAR

Ilhabela está localizada no Litoral Norte do Estado de São Paulo. O município fica na Ilha de São Sebastião. Possui como principais vias de acesso, para quem sai da região de Campinas, a rodovia D. Pedro I até o acesso para as rodovias Dutra ou Carvalho Pinto até a Tamoios. Quem vai até São Paulo pode acessar a

extensão da rodovia dos Imigrantes e depois a BR 101, que liga Santos ao Rio de Janeiro.

Outro caminho pode ser feito pela via Mogi-Bertioga, seguindo também pela Rio-Santos.

Todas essas vias convergem para a cidade de São Sebastião, de onde é feita a travessia de balsa, regularmente a cada 30 minutos, para Ilhabela. Também é possível o acesso por lanças, iates e helicópteros. 

A repórter Vilma Gasques viajou a Ilhabela a convite da Associação Comercial e Empresarial de Ilhabela (Acei).

Escrito por:

Vilma Gasques