Publicado 25 de Agosto de 2013 - 5h00

Por Luís Cesar de Souza Pinto

Esportividade se revela nos detalhes do Mégane RS, como os freios Brembo, também usados nas Ferrari

Divulgação

Esportividade se revela nos detalhes do Mégane RS, como os freios Brembo, também usados nas Ferrari

Muito do que a Renault aprendeu nas pistas de corrida está presente no Mégane RS. Desenvolvido pela Renault Sport, divisão responsável por toda a linha de esportivos e competição da marca francesa (exceto os bólidos da F-1), o RS traz a pegada das competições para um modelo de rua.

O motor 2.0 16v, com respeitáveis 265 cavalos a 5.500 rpm, e o câmbio manual de seis marchas compõem uma combinação perfeita que permite ao carro acelerar de 0 a 100 km/h em seis segundos e atingir máxima de 254 km/h. O RS exibe ainda um senhor aparato tecnológico que deixa sua condução bem próxima da dos modelos de corrida.

Um desses recursos é o Renault Sport Dynamic Management, que permite ao ESP (controle de estabilidade) e ao ASR (controle de tração) atuarem em três níveis. No “On”, os controles de estabilidade e tração estão antenados em evitar qualquer escapada de trajetória, por mímina que seja.

Na função “Sport”, os controles permanecem ativos, porém sem atuar com tanta ênfase. Assim, é possível pilotar de forma mais divertida, brincando com o balanço do carro. O mapeamento do pedal do acelerador também fica mais sensível, o que melhora a resposta do motor. Por fim, o modo “Off”, deixa o carro inteiramente na mão do piloto e exclui toda e qualquer assistência eletrônica , enquanto o pedal fica ainda mais arisco. Ou seja, diversão sem limites.

Esportividade se revela nos detalhes do Mégane RS, como os freios Brembo, também usados nas Ferrari

Outro dispositivo interessante é o Renault Sport Monitor, programa que exibe a telemetria num monitor instalado no painel, com dados sobre o desempenho do motor, a pressão do turbo, a atuação dos freios, a indicação das acelerações lateral e longitudinal e o cronômetro. Esse sistema também permite personalizar a resposta do pedal do acelerador: linear, normal, neve, esportivo ou radical.

 

Ousadia do lado de dentro

O espírito esporte-chique do RS se estende ao interior, com combinações em carbono escuro e toques de amarelo no fundo do mostrador do conta-giros e no volante. O colorido também se faz presente nos cintos de segurança, no revestimentos dos bancos, além de detalhes nos painéis das portas e do pomo da alavanca de câmbio. O acabamento é complementado pela pedaleira e o apoio de pés em alumínio.

Esportividade se revela nos detalhes do Mégane RS, como os freios Brembo, também usados nas Ferrari

Avião na pista

Mesmo sem previsão de venda do RS no Brasil, a Renault convocou um grupo de jornalistas especializados para acelerar as duas versões do modelo (Sport e Cup) na pista de um aeródromo particular, localizado em Itirapina (SP). Nenhum dos jornalistas-piloto cravou os 254 km/h de velocidade máxima que o carro alcança. Mas chegaram perto. Disparando em linha reta na pista de decolagem, todos levaram o RS a superar, fácil, fácil, os 200 km/h. Emoção pura.

Escrito por:

Luís Cesar de Souza Pinto