Publicado 11 de Agosto de 2013 - 5h32

A vinícola chilena Montes Premium Wines, estará em Campinas apresentando os lançamentos Kaiken Torrontés e Kaiken Ultra Chardonnay

Divulgação

A vinícola chilena Montes Premium Wines, estará em Campinas apresentando os lançamentos Kaiken Torrontés e Kaiken Ultra Chardonnay

E como vai a alardeada regulamentação do vinho colonial brasileiro? Bem, obrigada. Foi aprovada na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara Federal e tramita em caráter conclusivo na Comissão de Constituição e Justiça, antes de seguir para o Senado. E daí? Daí que teremos vinhos honestos a menos de R$ 10, o que colocará no mercado cerca de 30 milhões de consumidores, segundo estimativas preliminares. Para ser identificado como vinho colonial é preciso atender a alguns requisitos. De acordo com o projeto, cada propriedade poderá elaborar, no máximo, 20 mil litros por ano. O produtor só deve comercializar a bebida em sua própria casa, entre outros produtores e em cooperativas.

Ainda: precisa ser feito com 70% de uvas colhidas na propriedade e conter rótulo do produtor. Mas não adianta procurar vinho colonial em supermercados e lojas especializadas, porque não vai encontrar. A venda é restrita, justamente, para evitar concorrência com o produto industrializado, sobre o qual incidem impostos altíssimos, o que dificulta a prática de preços competitivos. A novidade deve chamar a atenção de produtores de outros estados, além do Rio Grande do Sul, meca dos vinhos finos brasileiros. São Paulo e Minas Gerais, por exemplo, têm tradição na elaboração de bebidas populares e muitos vitivinicultores podem se encaixar na categoria colonial, o que lhes dará uma identidade nova. Além disso, na região Sudeste, ensaia-se uma busca por um novo vinho. Muitos já fazem experiência com uvas viníferas francesas em substituição às uvas de mesa que predominam por aqui. Em outras palavras, o conhecido vinho de mesa passará à categoria de vinho fino. Vamos aguardar o efeito da regulamentação. Saúde!

Visita ilustre

Aurélio Montes Jr., responsável pela vinícola chilena Montes Premium Wines, estará em Campinas nesta terça-feira, apresentando os lançamentos Kaiken Torrontés e Kaiken Ultra Chardonnay. Kaiken é como os índios mapuche chamam o ganso selvagem que migra da Patagônia chilena para a Patagônia argentina todos os anos, o que de certa forma explica a marca – Kaiken é o braço argentino da Montes. O produtor participa de almoço com profissionais da área no Bellini Ristorante e, a partir das 19h30, comanda degustação na Associação Brasileira de Sommeliers-Campinas (3233-8611). A presença de Montes Jr. na cidade é uma iniciativa de Pedro Cunha, da importadora Vinci (http://www.kaikenwines.com).