Publicado 11 de Agosto de 2013 - 5h00

A artista Aline Fraga Seelig faz os painéis à mão para depois digitalizá-los: 'Comigo dá mais certo assim, quando desenho  sem pensar em nada'

Edu Fortes/AAN

A artista Aline Fraga Seelig faz os painéis à mão para depois digitalizá-los: 'Comigo dá mais certo assim, quando desenho sem pensar em nada'

Um sketchbook (livro com páginas em branco para desenhos), o computador, uma mesa digitalizadora e um scanner são materiais fundamentais para quem trabalha com arte digital. Esses profissionais produzem imagens que fogem das convencionais e que são impressas em papéis especiais, podendo ser transformadas em quadros, pôsteres e até objetos como almofadas. Esse estilo de arte contemporânea é uma das apostas para decorar ambientes residenciais e comerciais e está caindo na graça dos campineiros.

 

Na galeria Urban Arts, inaugurada há cerca de quatro meses no Cambuí, pode-se apreciar e adquirir criações assinadas por designers, ilustradores e artistas gráficos reconhecidos, inclusive de Campinas. A franquia da marca, nascida em São Paulo em 2009 pelas mãos do empresário André Diniz (sobrinho de Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar), chegou à cidade por meio das sócias Marina Foschini e Anaju Moreira. Admiradoras do estilo, elas frequentavam a unidade paulistana, principalmente no período em que ambas estavam para se casar e buscavam alternativas para decorar a residência. “Nos identificamos com esse tipo de arte”, afirma Marina. Na definição de Anaju, o espaço em Campinas “é um ambiente agradável que mistura decoração e cultura e ainda tem uma pegada fashion”.

Figuras geométricas, ícones da música pop, atores e atrizes em posições pouco prováveis, imagens abstratas, natureza, frases de impacto, cartões-postais e cenários de fábulas são algumas das possibilidades encontradas ali. Caveiras coloridas, Audrey Hepburn pop, Monalisa psicodélica, Mickey usando máscara e mostrando a língua e Marilyn Monroe soltando pum estão entre os grandes sucessos de vendas. “Campinas foi a quarta cidade a receber uma unidade da Urban Arts. O novo conceito de galeria tem agradado bastante”, diz Diniz.

 

 XXXXXXX

Sem limites para a criatividade

Os trabalhos digitalizados com ou sem molduras ficam expostos por todos os lados na Urban Arts. E não é apenas o que está visível que pode ser adquirido ou contemplado. Outras opções podem ser conferidas em um terminal e encomendadas de acordo com o gosto e a necessidade do cliente. “Tudo o que está na loja ou no site pode ter formatos, substratos e tamanhos diferentes. Todos com certificação de tiragem”, diz o gerente San Rodrigues, formado em arquitetura e pós-graduado em design de interiores. Assim como as proprietárias, ele está sempre trocando ideias e dando orientações a quem visita a galeria.

Rodrigues conta que o público do espaço é bastante eclético. Estudantes e profissionais das áreas de arquitetura, decoração e design de interiores são maioria, mas de crianças a pessoas da terceira idade há cada vez mais interessados em dar um ar mais moderno à casa ou, simplesmente, conhecer a arte digital. “Um dia, uma senhora muito delicada entrou, observou tudo, conversou, tocou as obras para conhecê-las melhor e, ao final, acabou levando o quadro da Marilyn soltando pum”, relata.

Democráticos também são os preços. Os pôsteres sem molduras custam a partir de R$ 39,00; já as obras originais podem chegar a R$ 4 mil. “São peças com tiragem limitada e valores acessíveis. O melhor de tudo é que a arte digital não tem limites”, enfatiza Marina.

Foto: Edu Fortes/AAN

Edu Fortes/AAN

Marina Foschini e Anaju Moreira, sócias do Urban Arts, espaço novo no Cambuí: "Nos identificamos com esse tipo de arte"

Espaço para artistas regionais

Na galeria há uma área destinada a exposições temporárias de artistas locais ou dos mais populares da rede. Na próxima terça-feira, entra em cartaz a exposição Cartoon Rock Star, do ilustrador Israel Maia, criador da arte campeã de vendas na unidade: o Mickey Simmons, em que o personagem da Disney mostra a língua numa alusão a Gene Simmons, vocalista da banda de rock Kiss. “A mostra trará personagens clássicos dos desenhos e das histórias em quadrinhos misturados com astros do rock. Assim como fiz com o Mickey, procurei alguma similaridade física ou da personalidade do músico com o personagem”, adianta.

Autor de trabalhos pop e lúdicos, Maia trabalha com arte digital desde 2005, mas diz que usa o computador para fazer seus traços desde os dez anos. “O trabalho é limpo e não tenho necessidade de esperar a tinta secar. As correções são mais fáceis se comparadas aos métodos tradicionais. Outro benefício é a otimização de espaço, pois posso fazer trabalhos de grandes dimensões sem ocupar um cômodo sequer de minha casa”, comenta.

A parede também já foi ocupada com as criações de Aline Fraga Seelig, que pinta à mão e depois seleciona alguns painéis para digitalizar. A artista graduou-se em moda e depois, ao descobrir seu talento para os desenhos e pinturas, seguiu para Barcelona para se aperfeiçoar em artes plásticas. De volta ao Brasil, trocou São Paulo por Jaguariúna, onde mantém um estúdio de criação. “Desenho pessoas, animais e objetos, tudo estilizado, sem realismo”, explica.

Para deixar a imaginação correr solta sem ficar presa ao que poderia ser o produto final, ela prefere pintar suas telas com tinta acrílica ou aquarela e só depois digitalizar e incluir estampas e outros elementos. “Comigo dá mais certo assim, quando faço sem pensar em nada”, garante.

Segundo André Diniz, a Urban Arts conta, atualmente, com mais de mil artistas parceiros cadastrados. “Temos 25 da região de Campinas”, diz. Para mostrar o talento aos curadores da galeria, interessados podem se cadastrar no site e enviar os trabalhos em alta resolução. Se selecionados, podem integrar o acervo digital e chegar às mãos dos apreciadores desse novo tipo de arte.

Faça uma visita:

Galeria Urban Arts

Rua Emílio Ribas, 608, Cambuí

Funciona de segunda a sexta-feira, das 11h às 20h; aos sábados, das 11h às 18h.

f. (19) 3294-1922

Site: www.urbanarts.com.br

Foto: Edu Fortes/AAN

Edu Fortes/AAN

Israel Maia, artista: 'É uma arte criada com pixels, vetores e dados de computador. O original não é palpável, mas, sim, um arquivo de programa'