Publicado 09 de Agosto de 2013 - 22h03

Leandro Hubig Cañas foi localizado nesta sexta, na praia de Maresias

Reprodução Facebook

Leandro Hubig Cañas foi localizado nesta sexta, na praia de Maresias

O corpo do atleta de Vinhedo Leandro Hubig Cañas, de 24 anos, foi localizado nesta sexta-feira (9) na praia de Maresias, Litoral Norte de São Paulo.

Ele estava desaparecido desde o último domingo (4) quando foi arrastado por uma onda na praia de Paúba. O corpo será liberado na manhã deste sábado (10) e trasladado para Vinhedo. Leandro era irmão da cantora Ana Cañas. Piloto de BMX (bicicross), era visto como uma promessa do esporte.

As buscas feitas pelo Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) de São Sebastião duraram cinco dias. De acordo com o tenente Nilton Krüger, do GBMar, o corpo foi encontrado por volta do meio-dia desta sexta, e estava próximo a rochas que ficam entre as praias de Paúba e Maresias, a cerca de dois quilômetros do local onde Leandro desapareceu. A família do jovem, que é de Vinhedo, foi nesta sexta para São Sebastião fazer o reconhecimento do corpo no Instituto Médico Legal (IML).

Leandro estava acompanhado dos amigos Bruno Wardzinski e Guilherme Fontes, ambos de Vinhedo, quando foram surpreendidos por uma forte correnteza. Os dois conseguiram sair da água, mas Leandro foi arrastado. O jovem era aluno do 4º semestre do curso de publicidade e propaganda da Universidade Paulista, de Campinas.

Ana Cañas não quis falar sobre o episódio, mas em sua página oficial no Facebook postou a frase: "Perder alguém é morrer também" . Amigos também usaram as redes sociais para fazer homenagens. "O céu e a terra queriam ele, mas o mar, com inveja, o tomou. Voe alto Cañas, o mais alto que puder", postou Bruno Wardzinski, que estava com Leandro no momento em que ele desapareceu.

Wardzinski fez um relato emocionado sobre os últimos momentos no mar, quando tentou salvar a vida do amigo. "Nós entramos no mar apenas para nos lavar a última vez e irmos embora. Ninguém sabe o que é ouvir um pedido de socorro de um amigo e perceber que estávamos em perigo. Ninguém sabe o esforço e o medo que eu passei depois de avisar o Cañas pra gente ir para o fundo e lutar pela vida contra as ondas e corrente. Ninguém estava lá, além de mim, e ouvir, da maneira mais sutil e gentil que ele encontrou pra dizer, um pedido de socorro de um brother que estava em perigo, dizendo: "Tô cansado!" .

Ninguém sabe como é descer em três pra praia e voltar só em dois", escreveu. O local do velório e sepultamento ainda não foi divulgado.