Publicado 14 de Julho de 2013 - 13h38

Milton Cruz conversa com os jogadores do São Paulo durante treino no CT da Barra Funda

AE

Milton Cruz conversa com os jogadores do São Paulo durante treino no CT da Barra Funda

Por aquelas ironias que só o destino é capaz de aprontar, Paulo Autuori reestreia neste domingo (14) no São Paulo exatamente oito anos após levar o time à conquista do tricampeonato da Libertadores. No hiato que separou as duas passagens do treinador, o clube passou de devorador de títulos a uma fase de estiagem e momentos ruins - talvez, por isso, os otimistas possam ver na coincidência um sinal de sorte.

"É uma coincidência legal, mas não representa nada além da minha reestreia", disse Autuori, que neste domingo, contra o Vitória, a partir das 16 horas, no Barradão, em Salvador, dá o primeiro passo para tentar tirar a equipe do São Paulo do buraco.

Se em termos de classificação a situação não chega a ser dramática - o São Paulo está em posição intermediária no Brasileirão, com oito pontos -, o momento interno é dos piores. Contra o Bahia, na última quarta-feira, a equipe acumulou a quarta derrota consecutiva no Morumbi, saiu de campo vaiada e visivelmente abalada pela sequência negativa. Contando o amistoso com o Flamengo, já são sete jogos sem vitória e a apreensão da torcida com a incapacidade dos jogadores reagirem.

Como só chegou na última quinta-feira, para substituir o demitido Ney Franco, Autuori sabe que sua contribuição será muito mais para elevar o astral do grupo do que propriamente de ordem tática. No único treino com todos os atletas à disposição, ele priorizou o trabalho defensivo para estancar a sangria no setor: são 47 gols sofridos em 41 partidas na temporada.

"Precisamos melhorar a defesa para os homens da frente poderem se arriscar mais", analisou o treinador, que apostou bastante na conversa antes de fazer modificações muito profundas no time.

Por isso mesmo, o torcedor são-paulino não deve esperar uma revolução no jogo deste domingo em Salvador. A base será a mesma dos tempos de Ney Franco. A boa notícia é que as infrutíferas variações de esquema tático finalmente cessarão. "Vamos (jogar) sempre no 4-4-2, o que vai variar é o desenho no meio, mas gosto de jogar com dois meias", avisou Autuori.

Ganso volta à equipe após assistir do banco de reservas à derrota para o Bahia e ser preterido por Silvinho, Roni e Ademilson nas substituições. O São Paulo também terá os retornos de Wellington e Denilson, que cumpriram suspensão, e Douglas, recuperado de dores no joelho direito. No entanto, a lista de desfalques é encabeçada por Luis Fabiano e Clemente Rodríguez, que cumprem suspensão pelas expulsões na última rodada, enquanto Rafael Toloi voltou a sentir dores no tornozelo e foi vetado. Assim, Aloísio, Juan e Rhodolfo entram no time.

Para completar, Autuori ganhou um desfalque de última hora. Jadson sofreu uma entorse no tornozelo direito durante o treino de sábado e foi vetado pelos médicos. Assim, o técnico estreante deve escalar o meia Maicon para formar dupla com Ganso e, com isso, manter o esquema tático 4-4-2.