Publicado 10 de Julho de 2013 - 21h26

Por Paulo Santana

Torcida empurra a Macaca no Majestoso

Cedoc/RAC

Torcida empurra a Macaca no Majestoso

A Ponte Preta não fez nenhuma força para vencer o Nacional-AM, na noite desta quarta-feira (10), no Estádio Moisés Lucarelli, em jogo de ida pela 3ª Fase da Copa do Brasil. Com “o freio de mão puxado”, só faltou a Macaca comemorar a derrota por 1 a 0 diante do Nacional-AM, com gol de Danilo Rios, aos 30' do segundo tempo. Agora, para seguir em frente, a Macaca precisará vencer a partida da volta, dia 24, em Manaus, por dois gols. Se ganhar pelo mesmo placar, a vaga será definida nos pênaltis.

Se for eliminada, a Ponte estará automaticamente classificada para a fase regional da Copa Sul-Americana. Seria o primeiro torneio continental da história do clube, que está próximo de completar 113 anos de fundação.

A Macaca entrou em campo só com três titulares e passou o tempo todo trocando passes. Com mais posse de bola, abusou dos toques de lado, dos recuos para os zagueiros e das tentativas de jogadas em profundidade, num claro desinteresse em fazer gols.

O único lance de real perigo aconteceu no primeiro minuto, quando Chiquinho bateu falta da entrada da área e acertou a trave de Ígor. No mais, o jogo foi um misto de ataque contra defesa, com o time manauara bem posicionado na defensiva, segurando o empate que lhe garantiria o direito de jogar com tranquilidade em casa.

O Nacional mostrou um pouco mais de vontade, mas não conseguiu superar a linha de marcação alvinegra na etapa inicial. Mesmo assim, levou perigo quando a zaga rebateu e Eric jogou na área. Felipe, com leve desvio, quase abriu o placar, aos 7'. Aos 18', Danilo Rios pegou a sobra na intermediária e arriscou. Diego Sacoman, no meio do caminho, interceptou o perigo.

A Macaca tinha total controle das ações, segurava a bola em seu poder na maior parte dos espaços, mas não fazia questão de chegar ao ataque. Mesmo sem querer, chegou perto de marcar aos 31'. No cruzamento da esquerda, César subiu mais que os adversários e cabeceou no alto.

A Ponte manteve o ritmo lento na etapa final, mas chegou ao ataque, aos 13', quando Alemão tentou de cabeça, depois do escanteio. Aos 24’, Adrianinho fez passe milimétrico para Rildo, que invadiu a área e tentou tirar do goleiro, que salvou com o pé.

O gol do Nacional saiu numa falha de posicionamento da zaga. Aos 30', Eric fez cruzamento da direita e encontrou Danilo Rios livre, por trás da defesa. O camisa 10 só teve o trabalho de colocar a bola entre César e Roberto: 1 a 0. Três minutos depois, Chiquinho bateu falta, e Ígor fez grande defesa. Aos 41', Alemão ainda acertou a trave num cabeceio que poderia ter confirmado o empate.

Escrito por:

Paulo Santana